Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Sexta-feira, 18 Janeiro, 2019

Role para cima

Top

Sem comentários

Os coletes amarelos travam a recuperação do turismo na França

Os coletes amarelos travam a recuperação do turismo na França

Se há um ano informamos como os protestos da independência retardaram o crescimento do turismo na Catalunha, agora é Paris que sofre as mesmas consequências. 

Depois da onda terrorista que afundou o turismo na França em 2016, o movimento rebelde dos “coletes amarelos” desacelerou a recuperação do setor em 2018 e já está escurecer as perspectivas de 2019.

Primeiro o governo francês elevou a voz para este problema, depois foi o setor de distribuição, transporte e comércio e agora o turismo, atividade que representa 7,2% do PIB do país.

“2018 seria um ano muito bom, ao nível dos anos de 2013 e 2014”, disse à EFE, Hervé Becam, vice-presidente da Union Patronale de l’Industrie Hôtelière (UPIH). que agrupa as principais cadeias de hotéis de França.

Becam lamentou que as imagens de vandalismo em Paris durante as manifestações dos “coletes amarelos” de dezembro passado ”minaram” a imagem da França internacionalmente e causaram preocupação entre os turistas, tanto entre aqueles que já reservaram como nos que se programaram para fazer isso.

 

– Alojamento em hotel caiu 30%

Em Paris, uma das cidades mais visitadas do mundo, a acomodação em hotel caiu 30% entre 1º e 25 de dezembro, em relação ao mesmo período de 2017, segundo cálculos da Becam.

Uma parte desta diminuição deve-se ao cancelamento de reservas (10%)  o restante deve-se  aqueles que planeavam visitar a capital francesa, mas que decidiram não o fazer.

De acordo com o vice-presidente da associação, estava a haver uma recuperação dos anos rmaus como 2016, quando o turismo na França entrou em colapso devido ao efeito dos graves ataques terroristas de 13 de novembro de 2015 em Paris e Saint-Denis (130 mortos) e 14 de julho de 2016 em Nice (86).

Mas o que mais preocupa os hotéis é que essa tendência continue em 2019: “Muitas pessoas viram as imagens de violência em Paris. Portanto, muitos viajantes irão considerar se  reservam ou não. É isso que mais nos preocupa “, assumiu Becam.

No momento, os protestos, que incluíram bloqueios nos portagens, acesso a shopping centers e refinarias, serão um décimo do PIB francês no quarto trimestre, segundo a última estimativa do ministro da Economia e Finanças, Bruno Le Maire.

Envie um comentário