Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Segunda-feira, 2 Agosto, 2021

Role para cima

Top

A tecnologia hoteleira em 2020: Como será o hotel do futuro?

A tecnologia hoteleira em 2020: Como será o hotel do futuro?

Depois de um voo de longo curso, um viajante cansado sai do avião. Um beacon deteta-o e avisar a Uber, mais próxima para o apanhar e levar ao seu hotel.

A agenda do Tripit desse viajante inclui o itinerário configurado com todos os dados necessários para permitir que a deslocação se faça sem incidentes. Graças no uso do Waze, a Uber consiga leva-lo ao hotel evitando congestionamento de tráfego. O cliente verifica número do seu quarto no smartphone, no elevador, abre o app do hotel e pede bebidas e comida. 

Ao chegar ao quarto abre a porta com o smartphone, vê os seus e-mails na televisor, o qual estará conectado à sua casa para desbloquear os canais favoritos. As contas do Facebook e Instagram também estão abertas e preparadas para receber a primeira foto do hotel. 

Verifica que a camisa está amachucada, por exemplo, e pede um robô mordomo para engoma-la antes de decidir dirigir-se ao espaço de coworking que há no lobby do hotel, para poder trabalhar um pouco antes da reunião que tem dentro de pouco tempo. 

Futurista? Según, David Chestler, EVP, Global Enterprise Sales & Business Development do SiteMinder, assim vai ser a maneira de viajar no futuro próximo. Algumas dessas características estão presentes em hotéis de todo o mundo. O que, podemos esperar do hotel no futuro? Chegará o fim do check in tal com o conhecemos hoje? 

Em primeiro lugar, a receção 

Desde que os hotéis existem, o balcão do check-in é convertido na cara e no modo de execução de todo o hotel. A receção é clara e mostra o que move o conceito de hospitalidade. É o primeiro contacto direto entre o hotel e o hóspede e é o local de onde emana tudo sobre o alojamento. 

Nem o aumento das reservas on-line nem a tecnologia mais inteligente conseguiam no dia a dia, fazer alterações importantes na receção. Sem dúvida que tudo isso está a ser alterado. 

Um dos primeiros hotéis a eliminar a receção foi o Jannah Hotels and Resorts de Dubai. Este cinco estrelas do Médio Oriente tem como objetivo eliminar as operações geradas no lobby e permitir que os clientes façam o check-in pressionando algumas teclas num tablet. Depois fornecem um código QR, que acede a um vídeo que explicará qualquer dúvida que possa ter. 

Este serviço, também conhecido como Karim, também realiza outras funções de “receção”, como serviço de despertar ou ajudar a fazer reserva de carro de aluguer. 

Embora haja quem prefira o trato humano, não há dúvida que os serviço autónomo automáticos também têm os seu adeptos. E os hotéis começaram a apostar neles. Por isso, uma das vantagem da eliminação da receção é utilizar esse espaço para outras iniciativas, permitindo o uso de zonas ativas de coworking ou entretenimento.

Muito mais que um lugar para dormir 

Os hotéis podem expandir o bar ou abrir um lounge naquele espaço deixado pela receção. Mas e se este balcão de receção for substituída por muito mais? À medida que o trabalho remoto se expande, aumenta a procura por espaços de trabalho alternativos e flexíveis. Além disso, a linha que separa a hospitalidade e espaço de trabalho está cada vez mais esbatida, como evidenciado pelo aumento de laptops em alguns cafés. 

A boa notícia é que os hotéis estão muito bem posicionados para capitalizar todas essas mudanças. Com conexões Wi-Fi e serviço de bar e alimentação, hotéis podem oferecer um espaço de trabalho alugado à horas, dias ou semanas. Dependendo do espaço, isso também pode ser oferecido aos moradores, criando assim uma fonte adicional de renda. 

Poderão os hotéis atrair os clientes do Airbnb para usar os seus serviços de limpeza, ginásio, bares e restaurantes ou espaço de coworking? 

 

Fechar a lacuna entre hotéis e hostels 

As expectativas sociais não estão a mudar apenas no campo do emprego. Os viajantes tornam-se cada vez mais específicos com suas exigências. O City Hub, uma marca de hospitalidade lançada no ano passado em Amesterdão, visa limitar o máximo possível a diferença no mercado entre hostes e hotéis. 

O City Hub maximiza o espaço usando containers pré-fabricados que podem ser colocados em qualquer lugar do edifício. Além disso, oferece banheiros comuns e apenas um tipo de quarto, para uma ou duas pessoas. Isso fornece maior escalabilidade, além de privacidade. E tudo a um preço baixo. Além disso, rompe com o aspeto comunitário que os hotéis têm 

 

Quartos individuais para hóspedes individuais

Quando fazemos uma reserva, reservamos um lugar específico num avião ou num comboio. Também  um local para realizar uma atividade ou uma mesa de restaurante, especificando o número de clientes. Então, por que não reservar quartos individuais em hotéis?

Por exemplo, o Schani Hotel na Áustria permite escolher o apartamento em que o hóspede fica ou o tamanho do quarto, entre outras variáveis. Após a reserva, obtém o número do quarto para evitar passar pelo balcão de check-in e entrar diretamente usando a app do hotel.

Embora tenho começado à pouco tempo, parece que este hotel está a caminho de uma experiência hoteleira mais personalizada e eficaz.

E o que acha dos hóspedes poderem usar óculos de realidade virtual para poder escolher o quarto ou as vistas e, assim, gerir suas próprias expectativas? Por exemplo, existem hotéis que permitem que os clientes  veja seus as melhorias que teriam no quarto se eles pagassem mais  por noite.

Que mudanças mais a tecnologia trará?

A tecnologia e seu uso na indústria de turismo está a  desenvolver-se tão rápido que as previsões podem ser um jogo perigoso. Já podemos ver robôs mordomos ou espelhos inteligentes em vários hotéis ao redor do mundo.

A IoT (Internet das Coisas) e a IoE (Internet de Todas as Coisas) permitirão que mais decisões sejam tomadas graças às ferramentas baseadas em dados para apoiar a experiência do viajante conectado. Tecnologias emergentes, como realidade virtual, impressão 3D ou os wearables, podem ser usadas em todos os hotéis.

Quem sabe, provavelmente, em alguns anos poderemos fazer bungee jumping sem sair da cama, a nossa camisa dir-nos-á quantas calorias queimamos nessa última caminhada e podemos até imprimir um par de sapatos novos para caminhar novamente no dia seguinte. Aparentemente, os limites serão estabelecidos apenas pela nossa imaginação e pela dos nossos hóspedes.