Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Sábado, 11 Julho, 2020

Role para cima

Top

“O grande potencial do setor de Wellness ajudará a reverter a crise”

“O grande potencial do setor de Wellness ajudará a reverter a crise”

A Freixanet Wellness é uma das empresas líderes na área do Wellness em Espanha. Fundada em Manresa em 1972, iniciou a fabricação e comercialização de saunas, evoluindo gradualmente para a abordagem abrangente do projeto que atualmente oferece.

Possui escritórios em toda a Espanha e América Latina, com presença importante em diferentes mercados da Europa, América Central, Caribe e até África.

A crise do coronavírus afetou esse setor como qualquer outro, mas também é verdade que o seu potencial atual pode ajudá-lo a superar a crise. E cada vez mais viajantes apostam em acomodações com Wellness.. Por esse motivo, mais e mais hotéis estão a esse tipo de equipamento. Nesta entrevista, Roberto Baños Pantoja, arquiteto do Freixanet Wellness, investiga um pouco mais a fundo essa tendência marcante.

– Que áreas diferenciadas um spa deve apresentar e que peso deve ser atribuído a cada uma delas?

– É muito comum os spas terem as seguintes áreas claramente diferenciadas:

  • Aquela a que chamamos Experiência de Calor, onde o cliente experimenta por conta própria as mudanças de temperatura.
  • A área da água com piscinas dinâmicas com diferentes jogos aquáticos (cachoeiras, gargantas, bancos tubulares, jatos de massagem em diferentes alturas …) e / ou piscinas de água quente e fria.
  • E a área de tratamento em que o cliente recebe muito mais atenção personalizada.

Não existe uma fórmula exata para calcular o peso que a área de tratamento deve ter em comparação com o circuito de Wellness. Pelo contrário, é uma decisão estratégica que dependerá amplamente do modelo de negócios que foi projetado.

Nesse sentido, se o circuito de Wellness responde ao objetivo de fornecer um elemento diferencial para aumentar indiretamente o nível de ocupação ou o preço do quarto,  esta opção  ganha peso.

Se, por exemplo, o spa for considerado uma unidade de negócios que gera rendimentos  por si só, fará sentido dar mais destaque ao menu de treino.

– Faz sentido adaptar o equipamento de acordo com o tipo de spa?

– Sem dúvida, a adaptação do spa em cada segmento não pode ser deixada para uma proposta superficial no nível do marketing; antes, cada proposta deve ter continuidade por meio de spas verdadeiramente personalizados, com serviços e elementos personalizados.

Um exemplo paradigmático e em expansão é o de hotéis focados no mercado do ciclismo. É uma disciplina que combina perfeitamente com a natureza e o Wellness.  Após uma intensa viagem, os ciclistas apreciam a chance de relaxar num spa. No entanto, se o equipamento na área de Wellness atender às necessidades específicas desse segmento, eles o apreciarão ainda mais.

Aqui poderíamos falar sobre uma cabine de infravermelho, que oferece um calor suave para aquecer os músculos antes de praticar desporto ou recuperar fisicamente  ao retornar. Também seria aconselhável incluir uma piscina de água fria para intensificar a fase de recuperação.

 

– Quais são os materiais e cores mais adequados para spas hoje em dia?

– Partindo da premissa de que os spas são instalações com um objetivo muito específico e que o Wellness está intimamente relacionado à sugestão de que um espaço possa inferir, a psicologia da cor, das texturas e da materialidade torna-se num fator essencial. Portanto, qualquer combinação de cores e materiais destinados a reforçar essa ideia de relaxamento e “descanso mental” será bem-sucedida. Da mesma forma, é importante que o conjunto denote o mesmo estilo para dar continuidade à experiência e sensações que o usuário se apercebe.

Também digno de nota é o peso cada vez mais inegociável de materiais sustentáveis ​​no design do spa. De fato, os projetos que visam obter a certificação LEED representam uma tendência claramente ascendente.

Em relação ao tipo de luz, é bastante comum optar por sistemas de iluminação indireta e quente dentro das cabines, o que ajuda a acentuar a sensação de relaxamento do usuário. Por exemplo, a iluminação Albazza é um sistema de luz indireta de perímetro atrás das costas ou bancos de saunas ou banhos de vapor.

Variedade de materiais

A variedade de materiais e revestimentos que podem ser usados ​​em cada equipamento é cada vez mais variada. Para mencionar três capítulos específicos:

  • As saunas costumam usar uma variedade de madeiras predefinidas pelo seu comportamento em ambientes de alta temperatura e pela sua estética. O forro interior clássico é em abeto, mas a cicuta canadense também é amplamente utilizada, caracterizada por não haver nós e, portanto, uma distribuição de calor muito uniforme.
  • Quanto aos bancos, a madeira abachi retém menos calor, o que é mais confortável para o usuário. Da mesma forma, deve-se notar que outros tipos de madeira, como cedro ou aspen, estão a tornar-se mais proeminentes, especialmente em saunas onde o design é um fator essencial.
  • Por outro lado, para cabines de vapor, espreguiçadeiras aquecidas, copos de piscina, etc. existe o wellpro, um sistema de fabricação que oferece resistência total e excelente comportamento em ambientes com alta humidade relativa.
  • Finalmente, em piscinas e spas, há uma procura crescente por estruturas de aço inoxidável e wellpro (com eficiência térmica comprovada e economia de energia) e também por elementos de vidro acrílico integrados ao design da piscina.

– O que o usuário está  a solicitar atualmente?

“Não há resposta geral para essa pergunta. É essencial definir claramente o tipo de cliente para o qual o spa é destinado, a fim de se adaptar às suas preferências e satisfazer as suas necessidades. Isso implica, por exemplo, que se faça um spa de tratamento mais privado ou um spa de foco mais recreativo. Tudo isso está logicamente vinculado ao tipo de estabelecimento e ao tipo dos seus serviços.

Outro fator importante de condicionamento é se um spa é projetados para ser aberto ao público em geral  ou está a ser planeado para ser um  spa exclusivo para os clientes do hotel. A partir daqui, existem outros parâmetros que também podem intervir.

No caso, por exemplo, de hotéis, a sua tipologia assume especial importância (urbana, montanha, praia, negócios …); a nacionalidade do cliente final, pois eles estão culturalmente acostumados a alguns tipos ou outros de serviços; ou seus hobbies, de tal maneira que existem hotéis que, como mencionamos anteriormente, adaptam o seu spa a segmentos específicos, como ciclistas. Noutras palavras, essas são questões condicionadas pelo tipo de estabelecimento.

Normalmente, recomenda-se que um spa de projeto para classes altas possua instalações privadas (comummente chamadas de “áreas VIP”) onde o cliente pode desfrutar de Wellness num ambiente íntimo e onde recebe toda a atenção de uma maneira altamente personalizada. Por outro lado, um estabelecimento mais económico ou comercial deve aprimorar as suas áreas de lazer, uma vez que será  uma promoção para ocupação  dos quartos

“E o empresário?”

– Quanto ao empreendedor procura  principalmente um valor diferencial com tradução direta ou indireta no lucro. E um spa se paga-se de duas maneiras:

  • Direto, através da taxa de entrada ou da comercialização do menu de tratamento.
  • Indireto, isto é, com a repercussão da receita que representa sobre o preço do serviço (taxa, quarto, etc.).

A rentabilidade do spa estará diretamente relacionada ao sucesso que temos na proposta em relação às necessidades do público-alvo. Um spa excessivamente dimensionado é tão ruinoso – os seus custos de amortização e manutenção serão muito altos – como um subdimensionado que pode impedir que o investimento se traduza num  aumento da perceção do serviço ao cliente e, portanto, não gera o nível esperado de negócios.

Por todas essas razões, é sempre recomendável que os spas sejam projetados por empresas especializadas no setor de Wellness.

– Que instalações mínimas um spa ou centro de Wellness devem oferecer?

– A resposta para este tópico dependerá em grande parte do serviço que deseje oferecer, que por sua vez dependerá do tipo e do nível da instalação em si.

De qualquer forma, para fins gerais, pode-se sugerir que o equipamento básico seja uma sauna, uma cabine de vapor e um elemento de água (por exemplo, uma piscina dinâmica com jogos de água).

É muito importante a utilização dos contrastes de temperatura; daí a necessidade combinar elementos térmicos com elementos frios.

– Quais são as principais necessidades no projeto de uma área de Welness, do ponto de vista arquitetónico?

– Além da procura clássica por qualidade de serviço, o usuário de Wellness valoriza cada vez mais os atributos de “variedade” e “inovação”. Ou, dito de outra forma, o usuário final do spa espera ser surpreendido.

Nesse sentido, na Freixanet Wellness, inovamos constantemente em equipamentos e projetos de vanguarda, integrando elementos como cabines de sal, temazcales ou paredes de gelo (Ice Experience), entre outros nos nossos projetos.

Uma das principais tendências do mercado diz respeito às salas VIP. Cada vez mais clientes solicitam que suas áreas de Wellness apresentem um espaço diferenciado, o que os ajuda a fornecer aos seus usuários um serviço personalizado e exclusivo. Uma sala VIP permite oferecer tratamentos individualizados ou para casais, um oásis dentro do próprio spa.

Por outro lado, os spas levam em conta cada vez mais a sensibilidade ao meio ambiente, que de fato é um valor diferencial da nossa empresa há muito tempo.

– Como o setor de Wellness evoluiu nos últimos anos?

O turismo de Wellness  ganhou cada vez mais peso, a ponto de muitas pessoas condicionarem as suas viagens a instalações que incorporam experiências relacionadas ao Wellness.

– Alguma ideia para nos diferenciar de outros spas?

– Num de nossos mais recentes boletins corporativos, destacamos algumas tendências do setor de Wellness para 2020. São soluções inovadoras que podem ajudar a alcançar essa diferenciação.

Por exemplo:

  • Bancos de sauna em madeira branca para aprimorar o contraste de cores das cabines.
  • Dosagem automática de água para aquecedores de sauna, para evitar ter que controlar manualmente esta função.
  • Bacias de água fria em aço inoxidável.
  • Painel de controle integrado dentro da sauna, para poder ajustar as funções da cabine sem interromper a sessão de Wellness.
  • Cabines e paredes de sal com luz de fundo com efeito de cromoterapia.
  • Novas cores e formas para as pedras do aquecedor de sauna.
  • Projetos de spa que incluem, por sua vez, uma área “VIP” para oferecer serviços e tratamentos exclusivos.
  • Controle unificado de saunas e banhos de vapor a partir de um único painel. Dessa forma, até um total de 8 cabines podem ser controladas centralmente, o que reduz os custos do equipamento e aumenta o conforto do uso.

– Quais efeitos a crise de saúde do COVID-19 teve no setor de Wellness?

– Embora as consequências da pandemia sejam notáveis, direta e indiretamente, afetando setores relacionados (como hotéis, academias, construção etc.) e também as economias domésticas, acreditamos firmemente que, graças à inércia que o setor de Wellness demonstrava e o seu grande potencial de crescimento, em pouco tempo será possível reverter o efeito dessa crise e recuperar a tendência positiva.

Nesse sentido, vale ressaltar que, na maioria dos casos, os clientes continuam com a firme intenção de desenvolver os projetos que estávamos a conceber. Consequentemente, o principal efeito que teve foi um atraso geral nas datas planeadas de execução das instalações, derivado das restrições estabelecidas pelas autoridades e que na nossa empresa cumprimos rigorosamente, colocando a saúde dos nossa equipe em particular e saúde pública em geral. De qualquer forma, estamos empolgados para ativar todos os recursos que estão ao nosso alcance, para que esse viés de data seja o menor possível.

Por outro lado, como aconteceu em muitos outros setores, essa crise da saúde levou-nos ao teletrabalho e, com ele, a otimizar e modernizar a maneira como os projetos eram tradicionalmente geridos. Esse fator certamente se traduzirá numa modernização do setor e de seus processos de trabalho.

– Sobre o COVID-19, algum equipamento recomendado para reforçar as defesas?

– Em termos gerais, todos os equipamentos de Wellness possuem características que, por um motivo ou outro, os tornam benéficos para a saúde. Aqui estão três exemplos.

Primeiro de tudo, a sauna. Na época, circulavam informações de que respirar ar quente poderia combater o coronavírus. No entanto, especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) descartaram a existência de evidências que apõem o tratamento desse vírus com calor.

Dito isto, a sauna oferece vários benefícios, especialmente na circulação sanguínea, no sistema respiratório e no sistema imunológico, por isso é recomendado para manter a saúde.

Noutras palavras, tomar uma sauna não é um tratamento para esse novo vírus, mas ajuda preventivamente o corpo a estar em melhores condições no caso de uma possível infeção.

Em segundo, o banho de vapor. Entre suas virtudes, podemos destacar que acelera as funções metabólicas, aumenta a respiração e humidifica as vias aéreas. Além disso, possui um efeito expetorante, com todos os benefícios que isso implica. Ajuda a eliminar toxinas e pode até ser eficaz contra a tosse.

E, finalmente, a cabine de sal. As propriedades da halo terapia em termos de melhoria do sistema imunológico e respiratório são discutidas por especialistas na área. Portanto, além de ser um equipamento extremamente relaxante e que demonstrou ajudar a reduzir o stresse, também é indicado para o tratamento de constipações s ou bronquites, entre outros problemas respiratórios.

 

Autor: Roberto Baños Pantoja, arquiteto da Freixanet Wellness