Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Segunda-feira, 26 Outubro, 2020

Role para cima

Top

XVI Congresso da Associação de Directores de Hotéis de Portugal — ADHP

XVI Congresso da Associação de Directores de Hotéis de Portugal — ADHP

Raul Ribeiro Ferreira: A tecnologia trará “um ganho competitivo para o nosso setor”

Em ano de pandemia, a Associação de Directores de Hotéis de Portugal não prescindiu da realização seu XVI Congresso, em Évora, para dar esperança aos profissionais do turismo, mas sobretudo capacitá-los para enfrentar a crise que está, ainda, longe de terminar. 

 

Ao longo de dois dias, entre 15 e 16 de outubro, a Associação de Directores de Hotéis de Portugal (ADHP) reuniu cerca de 150 profissionais do setor do turismo em torno das dificuldades trazidas pela pandemia, naquela que foi a XVI edição do seu congresso anual, na Universidade de Évora. Raul Ribeiro Ferreira lembrou, durante o discurso de abertura, que foi necessário “vencer algumas resistências e ideias contrárias à realização deste evento”, mas que consideraram fundamental manter a organização do certame. “Este congresso quer dar um sinal ao mercado que as razões que levaram Portugal a ser considerado, durante três anos, o melhor destino turístico do mundo manter-se-ão todas após o fim da pandemia”, sublinhou o presidente da direção da ADHP. 

À semelhança do que tem acontecido em diferentes setores económicos em Portugal, a esperança e a perspetiva de retoma estiveram no centro do debate. A aposta na formação, qualificação e transformação digital é, considera, essencial para que “no fim desta pandemia continuem a existir hotéis, restaurantes e empresas turísticas”. Vítor Silva, presidente da Agência Regional de Promoção Turística (ARPT) do Alentejo, reforçou a importância da realização de eventos como este não só para manter a atividade económica em período de crise pandémica e económica, mas também pela “necessidade de estarmos uns com os outros”. “Os congressos são fundamentais para o desenvolvimento da indústria do turismo”, defende. 

«O futuro começa agora” foi o mote para o XVI Congresso de Directores de Hotéis de Portugal, que reuniu profissionais do setor, representantes de empresas prestadoras de serviços associadas e instituições ligadas à promoção do turismo para debater o estado do setor e oferecer soluções que permitam retomar a atividade normal o mais rápido possível. “A atividade turística não pode parar”, afirmou Filipe Silva, vogal da direção do Turismo de Portugal, que apontou a capacitação das empresas e as campanhas de comunicação como elementos essenciais à recuperação pós-covid. 

 

Transformação digital como acelerador económico

As tendências da gestão de pessoas, a aposta na inovação, a importância da certificação ambiental ou o papel da tecnologia no setor marcaram a programação da edição de 2020 do congresso. Se dúvidas existiam sobre o impacto dos avanços tecnológicos na gestão hoteleira, Nuno António, CTO da ITBase, esclareceu-as explicando que “os estudos dizem que nestes seis meses de pandemia, a maioria das empresas avançaram a transição digital prevista a cinco anos”. A substituição do contacto pessoal por reuniões digitais, a introdução de chaves digitais e o crescimento do marketing digital forçaram a aceleração da estratégia de transformação que a maioria dos negócios tinha inscrita antes da chegada da covid-19. Pedro Francisco Moita, professor da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), concorda e reforça que “a hotelaria tem uma panóplia de ferramentas disponíveis” para abraçar a era da digitalização, dando como exemplo que “a Inteligência Artificial tem enorme potencial” no setor. 

José Pedro Almeida, CEO da XLR8, relembra que “o mundo está a mudar e nós temos de nos adaptar”, mas avisa que é preciso apostar, em paralelo ao investimento tecnológico, na mudança de cultura. “A tecnologia por si só não vai fazer nada” se não existirem profissionais qualificados que a consigam aplicar, com sucesso, nos modelos de negócio do turismo. 

 

Distinguir a excelência na hotelaria

Para a ADHP, a tradição ainda é o que era e os já conhecidos Prémios Xénios voltaram a distinguir os profissionais do setor que mais se destacaram ao longo do último ano. Como sempre, a cerimónia de entrega dos galardões aconteceu durante o jantar do primeiro dia de congresso, a 15 de outubro, no Évora Hotel, com a presença de todos os participantes e júri responsável pela eleição dos vencedores. Raul Ribeiro Ferreira aproveitou o momento para saudar o crescimento do número de votos que os prémios vêm a registar ao longo dos anos, que passaram de 4700 em 2012 para mais de 138 mil nesta última edição. O presidente da ADHP fez ainda questão de lembrar que “estes prémios distinguem pessoas, não empresas”, reforçando, uma vez mais, a importância de reconhecer os diretores de hotéis e outros profissionais da hotelaria pelo trabalho que desenvolvem e que contribui para o fortalecimento do setor turístico. 

Consulte, abaixo, a lista de vencedores dos Prémios Xénios 2020. 

LISTA DOS VENCEDORES:

Diretor de Hotel: Carlos Alves, Grupo Vila Galé

Diretor de Alojamento: Susana Querido de Figueiredo, Hotel D. Pedro Lisboa

Diretor de F&B: Miguel Maugi Santos, Hotéis Vila Galé

Diretor Comercial, Marketing & Vendas: Ricardo Barreto, Convento do Espinheiro

Jovem Diretor de Hotel: Vera Sequeira, Pestana CR7 Funchal

Melhor Gestor do Potencial Humano: João Vieira, Corinthia Hotel Lisbon

Empresa de Outsourcing/Parceiro de Negócios: Grupo GM – Amenities Exclusivos

Prémio de Mérito Regional: Restaurante Fialho

Prémio Mérito: António Ceia da Silva, ex-Presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo e atual Presidente da CCDR Alentejo

Prémio Carreira: Fernando Maia.

 

Autor: Francisco de Almeida Fernandes