Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Segunda-feira, 25 Janeiro, 2021

Role para cima

Top

Revenue em 2021? Claro que sim, mas sem perder de vista alguns fatores

Revenue em 2021? Claro que sim, mas sem perder de vista alguns fatores

Iniciámos 2021 com todas as expectativas (esperanças) colocadas na reativação do setor. Sabemos que ainda há um longo caminho a percorrer, mas continuamos, e  fazemo-lo com a certeza de que, hoje, as pessoas estão apenas a adiar as suas viagens e quanto antes voltarão a viajar.

No entanto, também sabemos que a situação que vivemos mudou os padrões de compra e que certos comportamentos vieram para ficar. Por isso, não podemos falar de Revenue sem nos referirmos a essas mudanças, consequência direta do que já se chamou de “era pós-Covid”.

Nem devemos esquecer que haverá um antes e um depois. Sem dúvida é um momento de reflexão e conversão e, porque não dizê-lo, de oportunidades.

O que nos espera em 2021?

Não temos bola de cristal, mas muitos meses se passaram e onde não havia precedentes, há mais conhecimento. Não podemos ter certeza, mas podemos arriscar, não em vão a temporada de verão nos mostrou-nos que isso poderia ser feito “apesar dos arrependimentos”.

Aos poucos abrimos-nos a novos cenários e consideramos mais possibilidades, embora todas conduzam a um ano de 2021 caracterizado por:

Escuta mais ativa e novos padrões de comportamento

O impacto da pandemia no dia a dia das pessoas submergiu a todos num processo profundamente marcado por uma série de mudanças que parecem ser estruturais.

Nesse sentido, a escuta ativa tornar-se-á  no ano de 2021 indispensável para continuar. Assim, e na medida em que novos padrões de comportamento sejam gerados a partir das medidas adotadas tanto no plano individual, social ou governamental, surgirão outros que nos indicarão o caminho.

Segurança e confiança no centro da estratégia

Adaptar a experiência do cliente às necessidades atuais de saúde é algo que já fizemos. 2021 será o ano da comunicação. A percepção de segurança aliada à confiança que podemos transmitir é fundamental e é o trabalho de todos. O trabalho em equipe ficará mais forte do que nunca.

Vamos pensar que o simples fato de ir trabalhar no transporte público continua a gerar preocupação. Os turistas precisarão de motivos para ficar num estabelecimento. 

A diversificação do serviço e/ou produto é essencial

O questionamento do modelo de negócios que funcionou até agora  ajudar-nos-á. Devemos projetar para o médio e longo prazo e diversificar.

Tornamo-nos muito mais locais. A comercialização, portanto, deverá ser direcionada a este mercado durante grande parte do próximo ano, e mesmo nos seguintes.

Tecnologia, uma aposta de valor

A transformação digital nas empresas acelerou-se. Tecnologia e adaptação a novas ferramentas são essenciais para obter vantagens competitivas a curto e longo prazo. Em 2021 temos que remover qualquer obstáculo para chegar ao nosso cliente.

Revenue em 2021?

Um sonoro sim. Faremos Revenue,  não o deixamos de fazer. É claro que não descobrimos nada de novo se dissermos que os dados e as métricas continuarão sendo, como sempre, nosso ponto de inflexão na tomada de decisões. Lembre-se de que nada que não possa ser medido pode ser gerido.

Há certas variáveis ​​devem ser levadas em consideração:

1. A procura

Sabemos que o ano começa com muito pouca procura e na HotelsDot estimamos que até abril será difícil que o número de reservas aumente exponencialmente.

Porém, isso não é um obstáculo para não monitorizarmos os clientes que temos, pois, justamente, nessa monitorização estará a chave para identificar os novos padrões de compra a que aludimos anteriormente.

2. Fontes de informação

A inovação vem de mãos dadas com a procura por novas fontes de dados. Os dados históricos não são os únicos que nos permitem reagir nos preços ou na estratégia e nem a concorrência deve ser o nosso único ponto de referência.

Teremos que encontrar o melhor espaço possível para melhorias por meio de análises. Aproveite ao máximo as informações fornecidas pelo PMS, o Channel Manager (antecipação, reservas, etc.), o Google Analytics ou as OTAs.

3. Análise de tendências

Não devemos ficar satisfeitos em saber quem está nos está a fazer reservas, também com quem nos está a procurar. Isso nos permitirá adequar as ofertas e promoções ao nosso público.

4. Antecipação da reserva

As pesquisas continuarão a aumentar no longo prazo, mas as reservas serão concretizadas no último minuto. Isso nos obriga a fixar preços com grande antecedência, mesmo levando em consideração os eventos programados, embora haja uma grande possibilidade de que sejam cancelados. Devemos cuidar da nossa imagem.

5. Políticas de cancelamento

As políticas de cancelamento flexíveis ocuparão o centro do palco nos primeiros meses do ano, embora isso não signifique que políticas mais restritivas não possam ser estabelecidas no futuro.

6. OTAs

É previsível que as OTAs continuem a oferecer programas para aumentarmos a visibilidade nas suas plataformas. Não diga não, mas também não diga sim. Mais do que nunca teremos que analisar a chave de conversão para atuar de acordo com o ponto de venda.

Continuamos … e vamos continuar … a fazer Revenue.

 

Autor: Meritxell Pérez, CEO da Revenue Control Data e HotelsDot