Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Quarta-feira, 5 Maio, 2021

Role para cima

Top

Viana do Castelo desenvolve projeto de smart tourism

Viana do Castelo desenvolve projeto de smart tourism

A Câmara Municipal de Viana do Castelo apresenta o Geoparque Litoral de Viana do Castelo, uma iniciativa de Smart Tourism que conjuga conservação, educação, turismo e tecnologia

O dia19 de abril de 2021 marca a data em que o Geoparque Litoral de Viana do Castelo passa a estar oficialmente pronto para acolher turistas, no culminar do projeto promovido pelo Município de Viana do Castelo que dotou o território de condições inovadoras e tecnológicas para a conservação e fruição turística do património geológico diferenciado deste território.

O Geoparque Litoral de Viana do Castelo convida a uma longa viagem histórica, ao tempo em que Portugal já pertenceu ao hemisfério sul. É isso, e muito mais, o que se pode aprender com uma visita ao Geoparque e aos 13 Monumentos Naturais e demais património geológico que o compõe. Viana do Castelo, sempre com o orgulho que lhe é característico, mostra todo um acervo de ativos patrimoniais de natureza geológica, aliando-os à oferta de uma experiência turística e sensorialmente estimulante, em linha com os padrões de Smart Tourism.

Após um extenso trabalho de inventariação e classificação dos recursos patrimoniais, o Geoparque Litoral de Viana do Castelo encontra-se preparado para receber todos os visitantes. As três portas de acolhimento do Geoparque – Porta do Atlântico, do Neiva e de Arga – estarão oficialmente inauguradas até ao final do mês, marcando assim o término da fase de consolidação desta iniciativa da Câmara Municipal de Viana do Castelo, cuja missão se traduz na conservação do património natural a partir da promoção da sua efetiva valorização educativa e turística.

O Município passa, deste modo, a dispor de um novo produto turístico, o qual soube compatibilizar com as tendências de Smart Destination e Smart Education e com as oportunidades trazidas pelas Tecnologias da Informação.

“Após tantas fases deste projeto, que leva já 15 anos de desenvolvimento, e com tantas instituições, e personalidades envolvidas que quero destacar e agradecer – as 27 juntas e uniões de freguesia, e os 7 agrupamentos de escolas de Viana do Castelo, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo e outras instituições de ensino superior (Universidade do Minho, CIIMAR-UP, Universidade de Coimbra, MARE), o Fórum Português de Geoparques da UNESCO, a Associação Empresarial de Viana do Castelo e os nossos técnicos municipais queremos ter as melhores condições para receber quem nos visita e para as nossas escolas. Aqui chegados, importa, portanto, que tenhamos uma oferta turística diferenciadora, que provoque emoções positivas no público e que o fidelize. Acreditamos que a Tecnologia tem um contributo para dar aqui. De igual forma pretendemos contribuir para que os nossos professores tenham as melhores condições para ensinar através de estratégias diferenciadoras e em flexibilidade curricular, assente no nosso património identitário, complementando todo o caminho que temos vindo a trilhar nos últimos 4 anos, com a criação de dois ícones nacionais – a Rede Escolar de Ciência e as Equipas de Diferenciação e Flexibilidade Curricular de Agrupamento.” refere Ricardo Carvalhido, Vereador da Câmara Municipal de Viana do Castelo e coordenador deste projeto.

É por esse motivo que o Geoparque dispõe hoje de ferramentas tecnológicas em linha com os padrões de Smart Tourism. Com a colaboração da Ubiwhere, high-tech portuguesa especializada e líder nos domínios das Smart Cities e Smart Tourism, foi desenvolvido um plano e respetivas ferramentas que não só promovem uma qualificação da experiência turística para o utilizador/visitante, como também garantem a recolha de métricas úteis para a monitorização e performance do produto turístico.

A app dedicada ao Geoparque permite conduzir o visitante por toda a diversidade de recursos patrimoniais e geológicos, favorecendo a visibilidade e reconhecimento dos mesmos.

Recorrendo ao módulo de Realidade Aumentada, o visitante consegue aceder a conteúdos informativos adicionais, através de uma experiência interativa e sensorialmente ativada, com recurso a um smartphone. Por outro lado, o mecanismo de geofencing permite quantificar o tempo em que o utilizador passa junto de um determinado recurso que, complementado com a funcionalidade de avaliação da visita, permite recolher fortes inputs para a medição do interesse turístico dos recursos que integram o Geoparque.

Outros recursos de apoio à visitação foram concebidos e instalados: As Portas do Geoparque estão equipadas com painéis interativos, a partir dos quais se consegue aceder a elementos cartográficos, objetos 3D texturizados, fotografia e animações panorâmicas. Os painéis foram desenvolvidos de modo a promover uma interação simples e intuitiva, com suporte de múltiplos toques em simultâneo, elevada precisão e baixa latência na resposta ao toque.

 

Para Nuno Ribeiro, co-CEO da Ubiwhere, o projeto de Smart Destination para o Geoparque Litoral de Viana do Castelo “é um projeto desafiante, mas também muito gratificante, pelo nível de envolvimento das pessoas e entidades comprometidas com o sucesso do mesmo”.

O Geoparque Litoral de Viana do Castelo estende-se por mais de 320 km2 e é reconhecido, desde setembro de 2017, pelo Fórum Português de Geoparques da UNESCO como membro aspirante à rede mundial. Pode ser visitado a partir do dia de hoje.

Fonte: www.smartplanet.pt

 

Siga a TecnoHotel Portugal nas redes sociais

 

 

 

 

 

Clique AQUI para ler a edição digital março/abril: