Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Terça-feira, 26 Outubro, 2021

Role para cima

Top

O fator preço não é o mais decisivo nas decisões de viagem

O fator preço não é o mais decisivo nas decisões de viagem

Os hoteleiros e outros fornecedores de viagens não deviam deixar de considerar, que embora o desejo de viajar seja cada vez mais uma prioridades, é necessário ter em mente que o impulso ao reservar não é determinado pelo preço e que é necessário comunicar convenientemente em função das prioridades e motivações que são analizadas neste artigo.

Depois de meses de incerteza e restrições, algo está mudando em

o comportamento dos viajantes, pelo menos no que diz respeito às decisões de viagem. A segurança do des-tino e a certeza financeira são os principais aspectos a serem considerados na hora de decidir fazer uma viagem e são fatores que se tornam mais importantes hoje, acima do preço. Na verdade, a pandemia terminou com a ideia preconcebida de que a quantidade da viagem é o que impulsiona a compra dela.

Após o fechamento de fronteiras e o confinamento generalizado em muitos países, com a consequente impossibilidade de viajar e muitos planos adiados – e agora também com os requisitos para viajar que mudam de vez em quando – é lógico que as tendências nas próximas viagens sejam direcionadas para aspectos que têm a ver com a possibilidade de recuperar o valor caso os planos mudem. Mais de um em cada quatro viajantes valorizam a possibilidade de obter um reembolso maior, especialmente para companhias aéreas (26%) e aluguéis de férias (26%); seguido por protocolos de limpeza e desinfecção estendidos.

Isso fica claro no estudo do Expedia Group Traveler Value Index, que analisa as opiniões de 8.000 pessoas em oito países para entender seus valores e expectativas à medida que a pandemia entra em uma fase de controle em muitas partes do mundo. Fronteiras que estão reabrindo, graças em parte à implementação de medidas como o passaporte de vacinação para o qual, segundo o estudo, há um sentimento positivo, pelo menos para 71% dos viajantes.

Há um desejo de viajar, sim. Mas o principal fator no impulso de reserva não é mais tanto o preço, mas a possibilidade de reserva com fornecedores turísticos que atendam às expectativas em termos de segurança.

Melhorar as previsões

Felizmente, a viagem retorna, após a incerteza, para ser uma das prioridades de gastos, o que implica que, para os próximos meses, as previsões melhorem. Isso é pelo menos claro do Índice de Valor do Viajante, o que indica que mais de um terço (34%) dos entrevistados têm um orçamento maior para suas viagens do que está disponível em 2020. De fato, quase um em cada cinco entrevistados em todo o mundo (18%) espera que a viagem seja a atividade em que mais gastarão este ano, em comparação com grandes despesas, como re-novas (18%) e à frente do entretenimento (12%), compra ou atendimento de um carro (11%) ou saúde (11%). Além disso, mais de um terço (36%) diz que trocaria um aumento salarial por mais dias de férias.

As preferências dos viajantes também são impulsionadas por mudanças na frequência e no tempo de permanência. As viagens domésticas são impostas, pelo menos para 60% dos entrevistados, que também estão inclinados a fazer mais fugas. De acordo com o estudo do Grupo Expedia, mais da metade dos entrevistados, 41%, querem viagens mais frequentes e mais curtas. Quanto às viagens internacionais, as conclusões do Índice de Valor do Viajante indicam que mais de um quarto dos viajantes, especificamente 27%, já consideram viajar para outro país no próximo ano. Os requisitos de entrada para poder viajar, como o passaporte COVID-19, são bem aceitos para 71% dos viajantes, que se sentem confortáveis com a ideia de usá-lo e exibi-lo para viajar para o exterior.

Motivações mudam

A pandemia também mudou as motivações dos viajantes. Após meses de incerteza, as tendências indicam que há um desejo maior de desfrutar de experiências novas e diferentes. O estudo do Expedia Group indica que 75% dos viajantes aspiram escolher para suas próximas viagens um destino em que não estiveram antes e mais da metade, 52%, estão inclinados a usar um novo meio de transporte. Quase um quarto, 22%, já estão procurando uma experiência única para sua próxima viagem.

A preocupação com o meio ambiente, bem como as práticas sustentáveis nos destinos são aspectos a serem tomados em conta nas decisões de viagem. Pelo menos considerando que três em cada cinco viajantes (59% dos viajantes) estariam dispostos a pagar tarifas mais altas para tornar sua viagem mais sustentável.

Na mesma linha, a maioria dos viajantes pesquisados no Índice de Valor de Viajantes do Expedia Group, 65%, reservará com provedores de turismo que tenham políticas inclusivas. Isso inclui acomodações de mulheres ou minorias, oferecendo alternativas e propostas para pessoas com deficiência, ou promovendo um ambiente respeitoso e acolhedor para a comunidade LGBTQIA+.

Tendo isso em vista, hoteleiros e outros fornecedores de viagens, tem que considerar que embora o desejo de viajar esteja novamente entre as prioridades, é necessário ter em conta que o impulso na reserva não é determinado pelo preço e que será necessário comunicar convenientemente dependendo das prioridades e motivações mencionadas.

 

 

 

Sobre o autor:Fernando Ramiro  – Director de  Market Management, Spain & Portugal, Expedia Group.  www.expedia.es