Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Terça-feira, 30 Novembro, 2021

Role para cima

Top

Enfrentar medos: 7 dicas para desenvolver a confiança em trabalho

Enfrentar medos: 7 dicas para desenvolver a confiança em trabalho

A confiança é uma qualidade poderosa que afeta a forma como comunica, como se apresenta no trabalho e como os outros o percecionam.

Em apresentações, reuniões com colegas e clientes, entrevistas de emprego, estar confiante pode mudar a forma como os outros o veem e ajudá-lo a alcançar os seus objetivos de carreira. Mas este traço de personalidade não é natural na maioria das pessoas: é necessário trabalhar para que floresça. A boa notícia é que soar mais confiante no trabalho é mais fácil do que se pensa. A Adecco Portugal sugere sete dicas que pode trabalhar para enfrentar eventuais medos e inseguranças. Pratique e construa o caminho para ser um profissional confiante.

 

FALE MAIS DEVAGAR

O ritmo a que fala pode ter um grande impacto na disposição de outras pessoas para o ouvirem. Independentemente da sua comunicação ser relevante e importante, a forma como o diz pode afetar a forma como os outros o interpretam ou lhe atribuem credibilidade.

 

Se falar demasiado depressa e parecer querer comunicar apenas o que precisa de dizer,  parecerá menos confiante. Se falar mais devagar e escolher cuidadosamente as suas palavras, o que está a dizer parecerá mais importante e elaborado. Terá também tempo para pensar no que está a dizer. Se tiver tendência para falar rapidamente, abrande um pouco e fale com propósito.

 

 

ESCOLHA CUIDADOSAMENTE AS SUAS PALAVRAS

As palavras que utiliza terão um grande impacto na mensagem que está a tentar transmitir. Evite o uso de muletas de linguagem que tornam a comunicação menos assertiva ou enrolada. Evite expressões como: “Por vezes”, “Provavelmente”, “Normalmente”, “Poderia ser”, “Eu penso que”… e congéneres.

 

Utilize palavras e declarações definidas e assertivas para o ajudar a comunicar claramente. Mantenha as frases e declarações curtas e diretas e sempre que possível alicerçadas em convicções que demonstrem análise prévia ou factos. Evite divagações.

 

MANTENHA UMA LINGUAGEM CORPORAL POSITIVA

A sua postura irá comunicar muito sobre si aos outros. Se se desleixar e se mexer, pode parecer nervoso. Falar com as mãos pode ajudá-lo a comunicar entusiasmo sobre um tópico, ao passo que tocar constantemente no seu rosto ou cabelo, ajustar a sua roupa e mexer na sua cadeira pode ser uma distração e comunicar falta de confiança da sua parte.

 

Pelo contrário, faça um esforço concertado para se sentar direito e manter sempre uma boa postura e linguagem corporal. Mantenha a cabeça erguida, sente-se direito e minimize os movimentos do corpo. A manutenção de uma linguagem corporal positiva pode ser um desafio. Pode ser necessária alguma prática, pois pode até nem se aperceber que está a mexer-se. Peça a um colega de confiança que avalie a sua linguagem corporal para encontrar formas de a melhorar.

 

VISTA-SE ADEQUADAMENTE

Vestir-se bem é importante por muitas razões. Não só se sentirá mais confiante, como também mudará a forma como outras pessoas o veem. Note que é nos primeiros 30 segundos de contacto que o outro tenta perceber quem tem à sua frente. É uma atitude humana. Assim, escolha roupas que se ajustem ao dress code da empresa e à sua personalidade. É fundamental sentir-se confortável na sua própria pele e olhar e terá um impacto positivo na sua confiança. Sente-se com as costas direitas, caminhe com propósito e projete mais confiança quando falar. Mais importante, uma linguagem corporal confiante deixará uma impressão duradoura sobre com quem falar no trabalho ou durante uma entrevista de emprego. E não se esqueça que nenhum outfit está completo sem um sorriso.

 

ASSUMA A RESPONSABILIDADE PELAS SUAS AÇÕES

As pessoas cometem erros. Ninguém é perfeito e desejavelmente os erros podem ser uma fonte de aprendizagem. Portanto, conte que irá cometer sua quota-parte de erros no trabalho. O mais importante é a forma como se lida com a situação assim que o erro é detetado. Evite culpar os outros, queixar-se e não leve as coisas a peito.

 

A vontade de assumir as culpas quando há um deslize pessoal mostra, além de inteligência e confiança, uma postura de honestidade que os colegas reconhecem positivamente. Não só ganha o respeito dos seus pares e líderes, como irá experimentar interiormente o sentimento de confiança. Assumir a responsabilidade pelas suas ações e trabalhar numa solução para corrigir um erro, também o ajudará a provar a si próprio que é capaz de lidar com qualquer situação. Isto dar-lhe-á confiança em si próprio.

 

PARE DE PENSAR DEMASIADO

Pensar demais é muitas vezes causado pelo medo de estar errado. Muitas pessoas pensam demais porque olham para todos os possíveis resultados negativos de uma decisão e não para os resultados positivos ou prováveis. Este é um fator de grande ansiedade que pode comprometer a saúde mental de uma pessoa.

 

Lembre-se de que tem as competências, experiência e formação necessárias para fazer o trabalho: foi contratado para tomar decisões de acordo com a função assumida. Portanto, quando pensa demais e começa a evocar os cenários negativos que podem advir das suas decisões não só está a afetar o seu nível de autoconfiança, como isso se projeta nos colegas de trabalho.

 

Se tiver tendência para repensar as coisas, isso começa a minar o seu pensamento. Concentre-se nos resultados positivos, esteja atento quando estiver a pensar demais, tome uma decisão e siga em frente. Tenha confiança na sua capacidade de tomar decisões e também nos outros.

 

SEJA VOCÊ MESMO, NÃO TENTE SER OUTRA PESSOA.

A autenticidade projeta confiança no ambiente de trabalho. Não tente imitar ninguém ou ser a pessoa que pensa que os outros querem que você seja. Seja você mesmo. Relaxe, seja e aceite quem é pessoalmente e como profissional. Terá mais confiança nas suas capacidades e outros terão confiança em si também. As “máscaras” nunca são uma boa opção, pois desgastam muito e também colocam em risco a sua saúde mental.