Experiências

A experiência perfeita nasce com um bom ambiente

Férias, viagens de negócios ou escapadinhas... Chegar a um hotel para fazer o check-in é uma sensação que costumamos associar a uma descoberta experiencial.

06-09-2022 . Por TecnoHotel Portugal

A experiência perfeita nasce com um bom ambiente

No entanto, antes de chegar ao balcão, somos expostos a diferentes estímulos que desconhecemos mas que afetam a nossa perceção do estabelecimento. A Moinsa, empresa especializada em equipamentos e design de interiores, partilha as chaves do ambiente hoteleiro, uma pretensão de poder deixar uma marca no desejo e na memória dos utentes.

Como especialista em design de interiores, fabricação e implementação, a empresa analisa os pontos mais importantes para melhorar a experiência do usuário do hotel e o papel fundamental dos espaços comuns na geração de boas lembranças. “Móveis, distribuição, iluminação e paleta de cores são os elementos que analisamos para influenciar positivamente o cliente, e é o que os hotéis mais nos pedem”, afirma Virginia Núñez Machado, do Departamento de Criatividade e Inovação da Moinsa.

Apesar de para os hotéis tudo ser importante para transmitir ao cliente as sensações de luxo, conforto, confiança, aconchego, relaxamento... a verdade é que os espaços comuns são essenciais para gerar um ecossistema de calma e bem estar. “Levamos em conta a pessoa, que está sempre no centro de tudo. Mas um hotel recebe milhares de clientes diferentes, com culturas, línguas, gostos e costumes diferentes, por isso procuramos chamar a atenção dos seus sentidos de forma subtil e com uma única intenção: que sintam bem-estar”.

A cor e o natural, indispensáveis

O design de interiores dos espaços comuns é o toque de mestre de um hotel. Os quartos também devem funcionar harmoniosamente, mas o estilo dos espaços comuns faz a diferença em relação a outros hotéis.

A cor ideal é uma combinação de tons neutros (branco, bege, azul claro, cinza...), pois conseguem um ambiente positivo e sem stresse, e também combinam muito bem com o uso do verde, com plantas, flores e decorações, uma das reivindicações que mais definem as tendências. Chamam discretamente a atenção dos clientes, transmitindo serenidade, além de expressar uma intenção de respeito e compromisso com o meio ambiente e a sustentabilidade.

“Já falámos sobre a tendência do design biofílico, que combina os espaços arquitectónicos com a natureza. Esta é transferida para os hotéis, mantendo uma relação harmoniosa do seu design interior nos espaços comuns com luz, água e plantas, arbustos, flores e jardins verticais. É assim que o temos feito, participando na renovação de hotéis como o Don Miguel em Marbella, onde utilizamos cru e verde, dando ao espaço uma distribuição harmoniosa e mantendo a sensação de luxo de nesse hotel”.

 

Luz e harmonia com o ambiente externo

Aproveitar a luz que o edifício possui ou fazê-la gerar e simular uma luz natural no caso de halls ou áreas de restauração onde essa possibilidade não existe, é essencial. “Haverá tendências diferentes dependendo do ano ou da estação, mas o gosto pela luz não muda”, dizem da Moinsa. É importante realizar um estudo prévio em que a luz é utilizada para recriar o espaço.

“Para Don Miguel, fornecemos alguns elementos brancos que simulam árvores no centro das salas. O efeito óptico é lindo, mas também é um jogo de luz e branco que traz mais luz para a área. Aconselha-se também a utilização de luzes LED, de menor consumo e renováveis, uma vez que cada vez mais os clientes prestam atenção a estes pormenores.

Os lugares evocam pensamentos, sentimentos e conexões, que depois se tornam memórias. Para os espaços comuns, é especialmente importante que sejam ou simbolizem representações do que o cliente encontra na cidade ou no local para onde vai.


RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

TecnoHotel Portugal nº22 novembro/dezembro

TecnoHotel Portugal nº22 novembro/dezembro

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.