Marketing

Como será afetado o turismo se o Google Analytics for declarado ilegal?

A agência austríaca DBS considerou que a utilização do Google Analytics é ilegal, uma vez que não cumpre os requisitos do Regulamento Geral de Proteção de Dados,assim como o CNIL francês. 

09-03-2022

Como será afetado o turismo se o Google Analytics for declarado ilegal?

A agência austríaca DBS considerou que a utilização do Google Analytics é ilegal, uma vez que não cumpre os requisitos do Regulamento Geral de Proteção de Dados,assim como o CNIL francês. 

Embora a notícia tenha causado algum alarme em meados de fevereiro, quando a segunda fase do julgamento foi tornada pública, no sector hoteleiro passou um pouco despercebido. No entanto, pode ter um grande impacto no campo do turismo.

Numa altura em que a proteção de dados é um tema quente, não é de estranhar que certos serviços estejam a ser questionados. Por outro lado, temos de compreender que, ao mesmo tempo, é uma ferramenta muito interessante. Muitas empresas usam-na para conhecer melhor os seus potenciais clientes e oferecer serviços personalizados.

A  Agência Espanhola de Proteção de Dados também está a investigar várias empresas que utilizam a ferramenta do gigante norte-americano, o debate está ativo. A incerteza e os riscos regressam para uma indústria que ainda está em processo de recuperação pós-Covid.

Porque é que as agências de proteção de dados se opõem?

A primeira coisa que precisamos entender é que o Google é uma empresa americana. Como tal, a sua tecnologia exporta dados pessoais para fora da União Europeia. Por isso, o uso do Analytics envia informações para o Google LLC, algo que contradiz os requisitos do Regulamento Geral de Proteção de Dados.

Ou seja, a Agência Francesa de Proteção de Dados (CNIL) e a sua congénere austríaca determinaram que a sua utilização não está em conformidade com as atuais normas europeias de privacidade. A razão é que as autoridades americanas podem aceder a essa informação a qualquer momento. O que, lembre-se, não é um pequeno problema, porque os seus serviços gratuitos armazenam uma multiplicidade de dados que são muito valiosos.

Parte do conflito decorre da análise dedicada à utilização de dados de visitantes para fins publicitários e não exclusivamente reservadas ao proprietário do domínio que os recolhe. Por conseguinte, as cláusulas contratuais padrão levadas a cabo pela empresa tecnológica não são atualmente suficientes para satisfazer os requisitos do nosso continente.

O que significa esta decisão para o Google Analytics?

O problema surge, sobretudo, porque os regulamentos europeus entram em conflito com as leis de vigilância dos EUA, que permitem o acesso a dados fora das suas fronteiras. Não é a primeira vez que algo assim acontece, uma vez que a associação sem fins lucrativos “No of Your Business” (NOYB) está a trabalhar em vários casos semelhantes. Especificamente, tem 110 casos abertos de momento.

Além disso, outras agências impuseram limites à utilização de dados por parte de certas empresas. Por exemplo, o CNIL francês decretou que algumas nuvens e plataformas do Health Data Hub não cumpriam os requisitos de segurança do Regulamento Geral de Proteção de Dados por causa da Lei da Nuvem dos EUA. O mesmo aconteceu com Mailchimp de acordo com as considerações da agência de privacidade bávara (BayLDA).

Por sua vez, ao longo de 2021, as coimas por incumprimento do Regulamento Geral de Proteção de Dados aumentaram quase 600%. Não é só isso, temos também de ter em conta que até o próprio Parlamento Europeu foi sancionado em janeiro por transferir dados para os Estados Unidos através da utilização do Analytics sem a proteção correspondente.

Ou seja, a magnitude do conflito é maior do que parece à primeira vista. É claro que as leis de segurança dos EUA podem mudar para evitar estes conflitos, como explica Pierre Saisset, diretor-geral da Southern Europe & Partner na Eulerian, num artigo. Embora, neste momento, não pareça que vai acontecer.

Quais serão as suas consequências para o turismo?

A consequência dos limites a ferramentas como a Analytics pode ser enorme na indústria de viagens. No final, é a forma como muitas empresas conhecem os seus clientes e adaptam os serviços que oferecem às suas necessidades. A sua capacidade de estudar o comportamento dos utilizadores e medir o impacto é fundamental em toda a indústria.

Por exemplo, permite-lhe adaptar o website com base no perfil dos turistas, incluir mais idiomas, detetarem visitas a um país específico ou o fazer responder melhor aos telemóveis. Além disso, não importa como a ferramenta está configurada ou se as soluções do lado do servidor do Google são instaladas, uma vez que não tornam o processamento de dados legal aos olhos dos organismos responsáveis pela sua supervisão.

Por sua vez, temos de ter em conta que esta regulamentação da Google irá certamente acabar por afetar outras plataformas americanas similares, incluindo nuvens. Em suma, pode ocorrer uma reação em cadeia cujos efeitos ainda são difíceis de prever. Por conseguinte, talvez fosse aconselhável pensar em alternativas que não passem pela utilização da tecnologia nos Estados Unidos. Ou, pelo menos, não dependem exclusivamente disso.

Esta decisão estratégica poderá ser benéfica a médio e longo prazo. Teremos também de ver se os fornecedores europeus de nuvem sabem aproveitar a oportunidade e mostrar o seu valor hoje. Ou que estratégia é adotada pela Meta, que já ameaçou deixar a União Europeia por essa mesma razão.

A França já ordenou às empresas e operadores que deixassem de usar o Google Analytics ou incorriam em  risco de multa, resta apenas esperar para saber no futuro próximo  como medidas como estas afetam o campo do turismo na Europa.


RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

TecnoHotel nº19 mai/jun 2022

TecnoHotel nº19 mai/jun 2022

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.