Marketing

O motor e a web são o primeiro passo

Há 10 anos, quando começámos, havia uma necessidade. Ou uma oportunidade, se quiser chamá-la assim. A cultura da venda direta não era tão internalizada e o potencial de melhoria dos hotéis a este respeito foi enorme.

19-06-2022 . Por TecnoHotel Portugal

O motor e a web são o primeiro passo

Havia tanto para fazer que, com pequenas ações, os resultados quase imediatos eram obtidos. Nessa altura, o site e o motor de reservas foram carregados para produção em poucos dias, com os clássicos selos de confiança, a garantia de oferecer o melhor preço online e pouco mais. O principal era começar a vender, e a batalha foi travada, em grande parte, no campo dos preços e da paridade. O rate shopper era rei.

O telefone estava lá, naturalmente, embora nem todos os estabelecimentos o identificassem como o canal determinante de distribuição que sabemos que constitui, e ao qual alocamos muitos recursos. O marketing digital também foi importante, claro. E-mails, redes sociais, SEO, fidelização No entanto, a relação com os motores de metapesquisa foi mais como um, e o Google Ads monopolizou grande parte da proeminência. Digamos que, embora as peças do tabuleiro fossem as mesmas, o ritmo era diferente. Era xadrez clássico.

Hoje joga-se xadrez rápido, xadrez relâmpago. O xadrez de dados. O hoteleiro evoluiu, forjou a sua personalidade. Sabe melhor do que nunca o que quer, como obtê-lo e as várias alternativas disponíveis no mercado. Em termos de maturidade digital, tornou-se adulto. É mais exigente, mais perfeccionista, menos conformista. Está bem informado, devidamente treinado e representa para nós o melhor aliado possível. Temos de estar à altura.

Plano estratégico e de ação para começar

Não há dúvida de que, sem um plano estratégico ou plano de ação, estaremos a matar moscas com tiros de canhão. Mas, definidos estes, o site e o motor de reserva ainda são o primeiro passo. Tanto e tão pouco quanto isso. Assume-se que este tandem a permitir o marketing com flexibilidade, agilidade e imediatismo, de acordo com a estratégia do cliente e as preferências dos seus hóspedes, mercados e segmentos.

Além disso, assume-se que respeitará a identidade do alojamento e que terá, por isso, ferramentas que favoreçam o controlo dos preços e garantam a sua correta aplicação, ao longo da sua mistura de intermediação. Revenue Management, em suma.

No entanto, isto já não é suficiente. Como parceiros tecnológicos, somos obrigados a decifrar o complexo mapa que desenha o panorama atual das reservas hoteleiras, porque temos acesso aos números da distribuição deste grande bolo e somos capazes de usá-los em benefício dos nossos clientes. A verdade é que, nesta adaptação do guião, o papel do marketing digital é muito diferente. Na verdade, tornou-se a estrela do filme.

Os hotéis esforçam-se por conhecer melhor os seus hóspedes, e estão a tentar saber tudo sobre eles, em parte, graças à entrada em vigor do RGPD. O seu público está agora mais interessado em ouvir, receber e absorver estímulos com os quais podem planear e construir a sua viagem perfeita ou as suas férias de sonho: Instagram, Faceboook, TikTok, newsletters, chatbots, assistentes virtuais, chamadas, sms, whatsapp... Não importa o meio. O verdadeiro desafio é poder conceder ao viajante exatamente o que ele quer, no preciso momento em que o procura.

 

E, claro, os motores de Metapesquisa

Neste sentido, mencionamos redes sociais, e-mail marketing, SEO e SEM, programas de fidelização e satisfação, programáticos, business intelligence e retargeting. Decidimos deixar os motores de metapesquisa para o fim por serem  um dos jogadores mais relevantes "dos atuais online", e merecem menção, e destaque, à parte, dentro da estratégia global.

Como o Piqué diria, "Google, contigo tudo começou." Ou pelo menos mudou tudo. O crescimento do gigante americano, além de se tornar uma ameaça para as OTA, alterou completamente o investimento em motores de metabusca e, em geral, o marketing digital. O seu modelo de licitação, os seus múltiplos formatos de visibilidade, o seu potencial de visibilidade, o seu profundo conhecimento dos utilizadores ou o volume de dados que trata, são algumas das chaves para o seu sucesso. Um triunfo na progressão, que levou ao desenvolvimento de novas operações em motores tradicionais de metabusca, como o Tripadvisor, Trivago ou Kayak, e favoreceu que outros se aventurassem a seguir os seus passos, como os Bing Hotel Price Ads. Este é um cenário que, bem gerido, pode traduzir-se num aumento notável de ROI para hotéis.

 

 

Autor: Gina Matheis  CEO da Paraty Tech, empresa de servicios tecnológicos e de  marketing online para hotéis

 

RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

TecnoHotel nº19 mai/jun 2022

TecnoHotel nº19 mai/jun 2022

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.