Distribuição

3 tendências de distribuição hoteleira para 2024 e como se adaptar a elas

Em 2024, o panorama da distribuição hoteleira apresenta oportunidades interessantes que moldarão as reservas de viagens e alojamento no futuro, com o regresso das OTAs ao planeamento de viagens baseado em IA

17-01-2024 . Por TecnoHotelPortugal

3 tendências de distribuição hoteleira para 2024 e como se adaptar a elas

Estas  tendências baseadas en IA  estão a mudar a forma como pesquisamos, reservamos e desfrutamos de alojamento.

Para se manterem competitivos, os hoteleiros devem adaptar as suas estratégias às novas realidades da indústria e dos viajantes. Apresentamos aqui três tendências que terão impacto na sua estratégia de distribuição este ano e sugerimos ações concretas para aproveitá-las.

1. As OTAs regressam com novas formas de atrair viajantes

O boom nas reservas diretas nos últimos anos poderá desacelerar em breve. Embora se espere que a quota global do canal direto vs OTA permaneça inalterada, os operadores de alojamento podem esperar que as agências de viagens online regressem mais fortes do que nunca.

O crescimento do Expedia Group e da Booking Holdings, os dois gigantes do mercado de OTA, é um grande exemplo disso. Ambas as empresas geraram mais de 250 mil milhões de dólares em reservas de viagens nos doze meses até ao primeiro trimestre de 2023 e começaram a expandir as suas ofertas para além do alojamento, para incluir reservas de voos, automóveis e experiências de viagem únicas.

As agências de viagens online mais populares também se concentraram na retenção de clientes. Considerando a situação económica global e que os viajantes são cada vez mais sensíveis aos preços na escolha de destinos e hotéis, muitas OTA têm concentrado os seus esforços em atrair viajantes através de programas de fidelização atrativos. Com o programa Genius da Booking.com e o OneKey da Expedia, ambas as empresas procuram impulsionar a procura entre as suas centenas de milhões de utilizadores.

Como se adaptar a esta tendência

Recomenda-se que as empresas de alojamento tenham um bom sistema de gestão de distribuição hoteleira que lhes permita criar um mix de canais bem planeado que inclua OTAs gerais e regionais. Além disso, vale a pena coletar informações dos hóspedes na chegada para que você possa realizar campanhas de marketing subsequentes que os incentivem a retornar.

2. O planeamento de viagens com IA ganha destaque

Ferramentas de IA como o ChatGPT já começaram a revolucionar a maioria das indústrias, e o setor hoteleiro não é exceção. À medida que 2024 avança, as ferramentas de inteligência artificial continuarão a ser integradas em diferentes sistemas para poder oferecer experiências de viagem personalizadas com base nas preferências e comportamento do utilizador. Esta evolução terá um efeito significativo na forma como os viajantes pesquisam, planeiam e reservam o seu alojamento.

Um ótimo exemplo dessa tendência é o TripGen, chatbot do Trip.com que usa ChatGPT para oferecer rotas, itinerários e conselhos de viagem personalizados em tempo real. Após o seu lançamento, o Grupo Expedia logo seguiu o exemplo e anunciou seu próprio chatbot em seu aplicativo móvel, e desde então outras OTAs como Booking e KAYAK também investiram neste tipo de funcionalidade.

Como se adaptar a esta tendência

Aparecer em recomendações geradas por IA se tornará cada vez mais importante. Nesse sentido, a reputação online desempenha um papel crucial: as propriedades devem manter uma imagem positiva e desenvolver processos para solicitar, monitorizar e responder às avaliações que recebem.

Os hoteleiros também precisarão cuidar de suas práticas de SEO para aumentar a probabilidade de serem recomendados por sistemas de IA. Essas práticas recomendadas incluem otimizar seu perfil do Google Meu Negócio, garantir que seu site esteja alinhado com as diretrizes EAT (experiência, autoridade e confiabilidade) do Google e que você tenha imagens de alta qualidade em seu site e perfis OTA.

3. As reservas móveis crescem

Os viajantes estão cada vez mais a preferir as aplicações móveis quando reservam o seu alojamento. De facto, os dados da Booking.com indicam que quase metade das reservas de quartos (48%) no segundo trimestre deste ano foram feitas através da sua aplicação móvel, um recorde histórico.

Pensando nisso, as OTAs têm canalizado seus recursos para a promoção de seus aplicativos móveis. Até agora, a estratégia parece estar a funcionar: a aplicação da Booking.com atingiu 80 milhões de downloads no ano passado, seguida pela da Airbnb com 52 milhões de downloads e pela da Expedia com 27 milhões.

Como se adaptar a esta tendência

Ver a mesma propriedade em várias OTAs pode incentivar os viajantes a visitar o site oficial do hotel e fazer uma reserva direta. Com isto em mente, os hoteleiros devem garantir que o website da propriedade está otimizado para utilização em dispositivos móveis, para facilitar o processo aos viajantes e incentivá-los a reservar diretamente. Certifique-se de que a versão móvel do seu site se adapte a diferentes tamanhos de tela, tenha botões de call to action claros e tenha conteúdo voltado para conversão.

Também é aconselhável oferecer alguns benefícios adicionais para incentivar reservas diretas pelo celular. Isso pode incluir desde descontos especiais até comodidades gratuitas, estacionamento gratuito ou um presente.

O panorama da distribuição hoteleira em 2024

Ao compreender e responder estrategicamente a estas tendências, os operadores de alojamento podem otimizar a sua presença em múltiplas plataformas, melhorar as experiências dos hóspedes e, em última análise, tornar-se mais bem-sucedidos num mercado cada vez mais competitivo. Abraçar estas mudanças e adaptar-se às novas preferências dos viajantes será fundamental para prosperar no dinâmico mundo das viagens.

 

RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

THPORTUGAL 29 JANEIRO/FEVEREIRO 2024

THPORTUGAL 29 JANEIRO/FEVEREIRO 2024

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.