Distribuição

Comissão Europeia quer que OTAs paguem IVA

Na passada quinta-feira, 8 de dezembro, a Comissão Europeia sugeriu que plataformas online de alojamento e transporte turísticos, como a Uber, a Airbnb e a Booking, recolhessem IVA para as autoridades fiscais para acabarem com a vantagem injusta que afeta principalmente os táxis e os hotéis.

15-12-2022 . Por TecnoHotel Portugal

Comissão Europeia quer que OTAs paguem IVA

Paolo Gentiloni, comissário europeu para a Economia, apresentou na última conferência de imprensa a legislação em vigor relativa à aplicação do IVA, que neste momento permite que muitas transações de plataformas de alojamento e transporte fornecidas através de operadores online não sejam tributadas, o que cria uma situação de jogo "injusta" para os fornecedores tradicionais.

A situação atual afeta principalmente hotéis independentes, mas também cadeias com mais tradição. Nas grandes cidades, estes alojamentos regulamentados devem fazer face à concorrência representada pelas OTA, com capacidade para chegar ao público com milhares de ofertas diferentes, entre as quais há muitas acomodações que não tributam o IVA.

Como proposta para resolver esta situação no mercado atual, a Comissão Europeia propôs uma nova operação para estas plataformas: quando o prestador de serviços (por exemplo, o condutor da Uber ou o anfitrião Airbnb) não aplicar o IVA ao cliente, será a plataforma intermediária a fazê-lo em seu nome.

Esta proposta legislativa visa pôr fim às desigualdades criadas no mercado atual entre PME, freelancers e utilizadores que utilizam estas plataformas como intermediários para oferecer os seus serviços.

Assim, o IVA devido será aplicado por defeito da plataforma operacional, como a Cabify, Booking ou similar, de modo a que os indivíduos cumpram as suas obrigações para com o Tesouro quando o IVA for aplicado imediatamente antes da aquisição dos seus serviços.

De acordo com as normas fiscais em vigor, são os prestadores de serviços diretos (por exemplo, o anfitrião que oferece o seu apartamento no Airbnb ou reserva) que são obrigados a aplicar IVA e a remetê-lo à Administração Tributária; No entanto, esta forma operacional não é a mais comum neste segmento do sector.

Muitos fornecedores, tanto particulares como pequenas empresas, desconhecem as obrigações fiscais a que estão sujeitos a este tipo de atividade profissional. A isto acrescente-se a forte competitividade que caracteriza este tipo de plataformas no sector das viagens, turismo e transportes.

Os novos regulamentos visam eliminar a crescente desigualdade neste mercado, derivada da aplicação de impostos a que os fornecedores tradicionais estão atualizados, o que cria uma situação económica notável entre ambos os sectores do sector.

Próximos passos na digitalização

Em termos de digitalização, as plataformas operacionais têm estado um passo à frente dos fornecedores tradicionais, promovendo conveniências como a faturação electrónica e as compras únicas.

A fatura electrónica é apresentada como a melhor opção na luta contra a fraude e como um incentivo que facilitará a aplicação fiscal. Nas operações transfronteiriças, a sua utilização permitiria deduzir até 11.000 milhões de euros por ano e reduzir os custos administrativos para os fornecedores na União Europeia em mais de 4.100 milhões por ano nos próximos dez anos.

Estas novas alterações administrativas são propostas como um salto evolutivo no atual sistema de gestão do IVA, que é processado pela União Europeia no quadro intracomuniário. Apesar das recentes melhorias nos processos e dos 30 anos de produção, o sistema comercial da UE ainda não saltou para a transformação do bandwagon para se adaptar a um modelo global.

O muito apreciado sistema de balcão único, que as OTA aplicaram praticamente desde a sua origem, foi também apresentado como uma facilidade para unificar todos os processos de gestão administrativa.

Com este sistema, os fornecedores de outros Estados da União Europeia só terão de se registar uma vez para poderem aplicar o IVA em toda a área intracomunitária e cumprirem as suas obrigações fiscais através de um único portal online e na língua selecionada.

Estima-se que este adiantamento será acompanhado de uma poupança de cerca de 8.700 milhões de euros para as empresas afiliadas ao longo de 10 anos, repercutidos nos custos administrativos e de registo.

As medidas propostas na passada quinta-feira, 8 de dezembro, ajudarão os Estados-membros do quadro europeu a aumentar a cobrança de IVA em até 18.000 milhões de euros por ano: notícias satisfatórias após os prejuízos de 93.000 milhões em impostos que 2020 supõe.

Fonte:  EuropaPress

 


RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

TecnoHotel Portugal nº23 janeiro/fevereiro2023

TecnoHotel Portugal nº23 janeiro/fevereiro2023

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.