Distribuição

Um estudo da UOC analisa o impacto do Airbnb no setor hoteleiro

Para a maioria dos gestores e diretores de hotéis, plataformas como a Airbnb não representam a concorrência, embora alertem para a necessidade de adotar medidas regulamentares para o setor do turismo.

10-12-2022 . Por TecnoHotel Portugal

Um estudo da UOC analisa o impacto do Airbnb no setor hoteleiro

Estima-se que em Barcelona existam mais de 180 hotéis de luxo e cerca de 19.000 anúncios que oferecem alojamento turístico em apartamentos e casas através destas plataformas

O aumento do turismo e a proliferação de plataformas de arrendamento de férias para apartamentos, casas e quartos mudou completamente a paisagem turística, especialmente nos grandes destinos urbanos.

A soma destas circunstâncias tornou-se um verdadeiro desafio da gestão local em cidades como Barcelona. Principalmente por causa dos conflitos que podem ser gerados com os moradores da cidade e pela regulação dos diferentes tipos de alojamento para turistas.

Uma equipa de investigadores da Universitat Oberta de Catalunya (UOC) entrevistou gestores representativos e diretores de hotéis de gama alta para descobrir a perceção desta situação na área.

"O objetivo do trabalho é conhecer, por dentro e com uma metodologia qualitativa, qual é a opinião e posição dos hoteleiros de alta classe em Barcelona no que diz respeito à concorrência que a Airbnb lhes supõe", explica Francesc González Reverté, principal autor deste trabalho, investigador do grupo NOUTUR da UOC e professor de Economia e Estudos empresariais da universidade.

Para a elaboração do trabalho, publicado na revista científica internacional Tourism Gegraphies, os investigadores analisaram os argumentos, o discurso e as diferenças entre os diferentes tipos de hotéis de acordo com a sua orientação empresarial através de entrevistas com os responsáveis por estes alojamentos.

"Os hoteleiros de luxo não vêem o Airbnb como um concorrente direto. No entanto, várias nuances são detetadas no seu discurso, desde uma posição de superioridade do produto a posições de maior preocupação sobre os efeitos da Airbnb na sua atividade e na sua natureza disruptiva", diz González.

Especificamente, os investigadores afirmam que existe um discurso maioritário sobre o Airbnb que indica que não é motivo de preocupação entre hotéis de alta qualidade; um discurso baseado na superioridade do produto hoteleiro em relação ao que a Airbnb oferece, mas também no facto de os dois modelos responderem a perfis de procura muito diferentes.

Por outro lado, um segundo discurso dos gestores de hotéis aponta que a Airbnb representa uma preocupação, mas também uma oportunidade para aprender e inovar para melhorar.

Finalmente, a terceira narrativa identifica a Airbnb como um concorrente complementar e visualiza-a como um potencial aliado com o qual podem ser estabelecidos novos modelos de negócio.

Da mesma forma, os investigadores explicam que a reação dos hotéis de gama alta a plataformas como a Airbnb tem sido mais cética e reativa do que proativa, o que revela uma noção de alguma ameaça ao seu setor. "Alguns hoteleiros vêem o Airbnb como uma ameaça que requer uma resposta proativa e unificada dos hotéis, tendo em conta o ambiente urbano e o bairro onde estão localizados", diz González.

"Para os hoteleiros de alta qualidade, plataformas como a Airbnb não envolvem riscos percebidos; no entanto, os hotéis e pensões de gama baixa foram claramente prejudicados pela Airbnb, de acordo com os últimos estudos", recorda o investigador da UOC.

De acordo com dados do Turismo de Barcelona, na cidade de Barcelona existem mais de 850 hotéis, dos quais 183 são considerados topo de gama, com cerca de 34.000 quartos. Por seu lado, estima-se que cerca de 19.000 anúncios da Airbnb sejam atualmente publicados na capital catalã.

O que pensa a indústria hoteleira do Airbnb?

Os investigadores identificaram várias nuances no discurso sobre o Airbnb por hoteleiros de hotéis de alta qualidade. Em geral, as grandes cadeias tendem a ver a Airbnb como um concorrente inexistente que não afeta o seu modelo de negócio.

As cadeias de hotéis de férias, por outro lado, sublinham que a Airbnb pode contribuir para transformar a oferta hoteleira menos consolidada ou rentável em apartamentos turísticos.

Ao mesmo tempo, sublinham a concorrência desleal que a Airbnb representa para os hotéis e a dificuldade em competir com esta plataforma por esta razão. Finalmente, os hotéis urbanos e as pequenas cadeias urbanas vêem o Airbnb como um estímulo à inovação e à melhoria contínua.

Há também pontos de acordo total. "Em todos os casos, os hoteleiros destacam especialmente a natureza agressiva do Airbnb como componente urbana, uma vez que dá origem a alimentar processos de gentrificação e a touristificação dos bairros mais populares, pelo que é um elemento de distorção urbana que gera descontentamento e tensões entre os membros da comunidade local", alerta o investigador.

Este tipo de trabalho — em que a narrativa, os argumentos e as perceções dos agentes envolvidos são analisados — são muito úteis para identificar o posicionamento dos atores do turismo, mas também os seus paradoxos.

"No caso dos hoteleiros de gama alta, é impressionante que certos elementos do seu discurso em plataformas como a Airbnb coincidam com os argumentos usados pelos movimentos sociais que protestam contra este tipo de turismo. Ou seja, ambos os grupos vêem o Airbnb como uma atividade que gera externalidades urbanas e que, portanto, deve ser limitada e regulada rigorosamente, mas fazem-no com objetivos diferentes e uma perspetiva estratégica diferente", acrescenta o docente.

Apesar da atual regulamentação neste tipo de plataformas em Barcelona, vários grupos de bairro e organizações sociais reivindicam a necessidade de utilizar métodos de monitorização e recenseamento de arrendamentos de apartamentos e a sua evolução temporal, bem como a limitação da concentração de apartamentos de aluguer em determinadas áreas, o estabelecimento de taxas de uso turístico para utilizadores e proprietários ou a distinção entre apartamentos comerciais e de partilha.

"Naturalmente, estas medidas não estão contempladas para responder às necessidades dos hotéis, mas para reduzir os impactos urbanos do Airbnb, especialmente no combate à deslocalização residencial devido ao aumento dos preços e à escassez de habitação; no entanto, o sector hoteleiro pode beneficiar indiretamente das medidas regulamentares do concorrente", conclui González.

Este estudo insere-se num projeto de investigação mais alargado sobre os efeitos da economia colaborativa no turismo denominado "Economia Colaborativa e espaços turísticos: contribuições, transformações e desafios", financiado pelo Ministério da Ciência, Inovação e Universidades através do programa Desafios da Sociedade.

 

RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

TecnoHotel Portugal nº23 janeiro/fevereiro2023

TecnoHotel Portugal nº23 janeiro/fevereiro2023

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.