Gestão

As 10 tendências que marcarão 2024 na hotelaria

Conhecemos diferentes tendências que marcarão este 2024 na indústria hoteleira, mas a Alianza Hotelera, um grupo de 22 cadeias hoteleiras, reúne as dez mais importantes que dominarão o setor durante este ano tanto nas inovações tecnológicas como nos desafios causados ​​por a diversificação da oferta hoteleira.

29-01-2024 . Por TecnoHotelPortugal

As 10 tendências que marcarão 2024 na hotelaria

Estas são as tendências que os hoteleiros devem seguir de perto para 2024:

1. Tecnologia e automação

Não há dúvida de que a tecnologia e a automação continuarão a crescer na indústria hoteleira, não apenas este ano, mas ao longo desta década. Não parece que a tecnologia vai parar de melhorar, pois sempre há coisas para melhorar, por isso os hoteleiros terão que estar sempre atentos e aprendendo constantemente.

É um facto que o surgimento da inteligência artificial generativa (chatGPT, Bard) continuará a ter impacto em todas as áreas da gestão hoteleira, no front e back office, “com uma profundidade nunca antes vista”. E a automação está marcando a melhoria do trabalho diário nos hotéis, já que, por exemplo, os recepcionistas podem passar mais tempo recebendo os clientes, conversando com eles, explicando tudo o que é necessário, sem precisar perder tempo fazendo tarefas manuais.

2. Integrações tecnológicas

Continuando com a parte tecnológica, continuamos com a implementação de integrações tecnológicas avançadas, peça fundamental na indústria hoteleira, uma vez que os hoteleiros procuram cada vez mais soluções tecnológicas mais completas com o objetivo de melhorar a eficiência operacional, a experiência do hóspede e a gestão global do negócio. .

Uma das principais áreas de integração é a gestão de sistemas hoteleiros. Os sistemas de gestão hoteleira, conhecidos como PMS, estão sendo vinculados a diversas soluções, como plataformas de reservas online, sistemas de controle de acesso, automação de quartos e análise de dados. Essas conexões permitem um gerenciamento mais eficiente das operações do dia a dia e uma coleta de dados mais precisa, facilitando a tomada de decisões com base em informações confiáveis.

Além disso, a integração das tecnologias móveis e da Internet das Coisas (IoT) está a ganhar terreno, não só nos quartos de hotel, mas também em áreas-chave como as cozinhas, para optimizar a utilização de recursos e reduzir o desperdício, e em aspectos arquitectónicos para melhorar eficiência energética através de ajustes estruturais e modificações na envolvente dos edifícios. A conectividade também se expandiu para serviços como check-in e check-out móveis, solicitação de serviço de quarto e entrega de chaves digitais.

3. Hiperpersonalização

Na indústria hoteleira, a personalização da experiência do hóspede continua a ser uma tendência crucial para 2024. Os hotéis valorizam cada vez mais a importância de proporcionar aos hóspedes uma estadia única, adaptada aos seus gostos e necessidades pessoais. Isto é conseguido através da utilização de dados e tecnologia para compreender melhor os hóspedes e fornecer serviços personalizados, desde o planeamento da sua viagem até ao regresso a casa, incluindo o processo de reserva e os detalhes da sua estadia.

Um fator essencial na personalização é a coleta, análise e interpretação de dados. Até o momento, os programas de fidelidade e percepção do cliente têm se concentrado na coleta de dados como históricos de estadias anteriores, preferências alimentares e atividades de interesse para antecipar as necessidades do cliente. Isto permite oferecer serviços de quarto personalizados, recomendações de restaurantes e atividades locais, e ainda ajustar aspectos como iluminação e temperatura às preferências do hóspede. No entanto, surge a questão de como personalizar a experiência para novos hóspedes. Aqui, a tecnologia desempenha um papel crucial na captura de dados além das operações regulares do hotel e na transformação deles em pontos de contato positivos para experiências personalizadas. As aplicações móveis dos viajantes são uma valiosa fonte de informação que, com o seu consentimento, permite-lhes adaptar automaticamente a sua estadia. Isto é feito sem que o hotel aceda diretamente aos seus dados pessoais, garantindo assim a privacidade do cliente.

4. Flexibilidade nas reservas

A pandemia deixou como legado a adoção generalizada de políticas de cancelamento flexíveis e modificações consentidas nas reservas, tornando-se prática comum para os viajantes. Mudar isto agora não é fácil, pois vivemos numa época de incerteza, caracterizada por mudanças rápidas e reservas de última hora. Esta necessidade de flexibilidade levou à implementação de políticas que permitem alterações ou cancelamentos sem penalização até um determinado período antes da chegada, a possibilidade de modificar as datas das reservas sem custos adicionais, ou a opção de optar por um crédito para estadias futuras em vez de. um reembolso.

Assim, a flexibilidade de reserva não só proporciona tranquilidade aos hóspedes, mas também pode construir confiança na marca do hotel e promover a fidelidade a longo prazo. Os viajantes valorizam a capacidade de adaptação a situações imprevistas, como alterações nas restrições de viagem ou emergências pessoais, sem a preocupação de incorrer em elevadas taxas de cancelamento.

5. Crise trabalhista

Após a pandemia, muitas pessoas refletiram sobre suas condições de vida e, consequentemente, sobre a flexibilidade de trabalho, bem como sobre o salário. Eles decidiram mudar suas condições e aproveitar mais. Portanto, em vez de considerar isto como uma fuga de talentos, é mais apropriado refletir sobre uma redefinição de talentos. Isso porque muitas tarefas que antes não exigiam alto nível de habilidade e eram remuneradas agora podem ser automatizadas.

Como resultado, a tecnologia e o conhecimento operacional tornaram-se um desafio constante que nos impulsiona a uma adaptação incessante, “é aquela matilha de galgos que todos carregamos atrás de nós e que nos obriga a ser lebres sem trégua”. A formação académica prévia já não é o único requisito para os trabalhadores, uma vez que estes devem estar dispostos a aprender e a adaptar-se às novas dinâmicas da indústria, sendo uma aprendizagem constante ao longo da sua carreira profissional.

6. Mudanças na restauração

Fruto de diversos factores, discutidos em pontos anteriores como a pandemia, a inovação na oferta de alimentos e bebidas na indústria hoteleira tornou-se uma tendência em constante evolução e com importância crescente. A gastronomia enriquece a experiência global do viajante, razão pela qual os hotéis procuram novas formas de proporcionar experiências culinárias distintas e atrativas aos hóspedes. Uma tendência notável é a inclusão de opções alimentares saudáveis ​​e sustentáveis. Os hotéis estão a modificar os seus menus para oferecer pratos que apelam aos viajantes preocupados com a saúde e o ambiente, com alternativas vegetarianas, veganas e orgânicas. Além disso, priorizam ingredientes locais e sustentáveis, o que beneficia as comunidades locais e acrescenta autenticidade à sua oferta gastronómica.

A inovação também fica evidente na apresentação de alimentos e bebidas. Os hotéis estão empregando técnicas culinárias criativas, apresentações artísticas e combinações exclusivas de vinhos e coquetéis para impressionar os hóspedes. A diversidade de opções como jantares temáticos, eventos gastronômicos e experiências de degustação permitem que os hotéis ofereçam mais do que uma refeição: uma experiência gastronômica inesquecível. Ao mesmo tempo, há uma escassez crescente de profissionais de culinária e de serviços, o que está a impulsionar a automatização acelerada de certas funções na indústria hoteleira, embora esta tendência possa inicialmente enfrentar resistência no mercado.

Esta mudança está também a provocar uma transformação no modelo de restauração, afetando a organização do departamento de restauração e bebidas nos hotéis. A robótica, embora mais focada em tarefas administrativas do que no atendimento direto ao cliente, está começando a desempenhar um papel importante. Os robôs ainda não podem substituir completamente as competências necessárias ao serviço de mesa, mas já estão a ser utilizados para transportar pratos entre a cozinha e a sala de jantar, ou entre o armazém e a cozinha. Ao longo desta década, são esperadas mudanças operacionais significativas no setor da restauração hoteleira.

7. Estratégia de receita inteligente

A inteligência artificial está a melhorar a capacidade dos criadores de tecnologia de antecipar tendências e modificar preços automaticamente, adaptando-se rapidamente às flutuações do mercado.

Uma nova abordagem que têm vindo a implementar na Alianza Hotelera é a estratégia de preços comportamentais. Isto envolve definir os nossos preços com base no comportamento e preferências dos consumidores, analisando dados como históricos de compras e reações a campanhas anteriores para diferentes grupos de clientes. No entanto, a principal tendência para a gestão inteligente de receitas nesta década vai além da simples venda de quartos. Trata-se de uma gestão abrangente de receitas, que também inclui a otimização dos lucros de serviços adicionais, como restaurantes e spas.

8. Distribuição multicanal

De acordo com o que a Alianza Hotelera tem observado, as linhas B2B e B2C estão cada vez mais confusas, porque o cenário, em constante evolução, exige estratégias de distribuição abrangentes e adaptáveis.

Isto ocorre porque o ambiente em mudança exige estratégias de distribuição que sejam abrangentes e flexíveis. Cada vez mais, os viajantes recorrem às OTAs para fazer as suas reservas, enquanto as empresas de viagens corporativas começam a utilizar intensamente as redes sociais para chegar a estes viajantes individuais.

Os sistemas avançados de gerenciamento de relacionamento com o cliente (CRM) estão oferecendo oportunidades valiosas para esforços de vendas eficazes e de alto impacto. Estes sistemas permitem aos hotéis recolher e analisar informações sobre os seus hóspedes, ajudando-os a compreender melhor as suas necessidades e preferências.

Notavelmente, a precificação baseada em atributos está ganhando popularidade na indústria hoteleira. Esses preços são determinados considerando uma variedade de fatores, como localização do hotel, categoria do quarto, temporada e demanda. A utilização destes atributos para maximizar as receitas está a emergir como uma forte tendência durante esta década, o que permitirá que tanto os hotéis como os intermediários se adaptem melhor às condições do mercado.

9.Web3

O progresso gradual, embora nem sempre aparente, da Web 3.0 na indústria do turismo promete levar o sector hoteleiro a um novo nível de personalização, eficiência e segurança. Utilizando tecnologias como blockchain e dados descentralizados, a Web 3.0 tem o potencial de fornecer transações mais seguras e transparentes, maior privacidade e experiências personalizadas com base nas preferências e comportamentos dos hóspedes. Esta tecnologia oferece aos hotéis e outras empresas hoteleiras a capacidade de criar interações mais personalizadas e envolventes com os clientes, desde reservas personalizadas até experiências virtuais imersivas.

A natureza descentralizada da Web 3.0 facilita uma distribuição mais equitativa do controlo de dados, dando às empresas hoteleiras e aos utilizadores maior poder sobre as suas interações digitais. Este movimento em direção a uma web mais interligada, inteligente e focada no utilizador poderá transformar a forma como os serviços hoteleiros são promovidos, experimentados e geridos nesta década. Isso, por sua vez, pode levar a um aumento na satisfação e fidelidade do cliente.

10. Alojamento multimodal

É inegável que o aluguer de férias e os apartamentos turísticos têm sido uma tendência na última década, apesar das polémicas que rodeiam este modelo de negócio em termos jurídicos e fiscais em muitos países. Da Alianza Hotelera asseguram que esta tendência continuará presente na indústria do turismo em 2024. Além disso, pedem que todos os participantes e instituições ligadas ao turismo compreendam que a popularidade do aluguer turístico se deve, em grande medida, ao preferência dos viajantes por experiências mais personalizadas, espaços maiores e opções de acomodação diferenciadas que as acomodações tradicionais muitas vezes não conseguem oferecer.

Em resposta a esta tendência, alguns empresários do sector hoteleiro tradicional começaram a diversificar a sua oferta, não só reconhecendo que esta tendência irá continuar, mas também vendo-a como uma excelente oportunidade de negócio para as suas cadeias. Os hoteleiros, com a sua experiência de gestão e capacidade de escalar negócios, estão especialmente treinados para gerir apartamentos turísticos de forma eficiente.

 
 
Foto: Unsplash

RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

THPORTUGAL 29 JANEIRO/FEVEREIRO 2024

THPORTUGAL 29 JANEIRO/FEVEREIRO 2024

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.