Gestão

Falta muito para o Total Revenue Management?

A maioria das organizações investe muito tempo e recursos na otimização das receitas do quarto. No entanto, há uma média de 25% de "outras receitas" nos hotéis, que hoje não estão a ser otimizadas

20-05-2022 . Por TecnoHotel Portugal

Falta muito para o Total Revenue Management?

A oportunidade é enorme, certo? É por isso que temos procurado há muitos anos para lançar as bases de uma estratégia de Total Revenue Management (TRM).

Para isso, ainda há um longo caminho a percorrer. Cada vez mais, os hotéis estão a apostar na obtenção da Otimização Total de Lucros (TPO). Este objetivo requer tempo, tecnologia, mas acima de tudo visão. Se o objetivo é alcançar a otimização da rentabilidade, primeiro temos que nos aproximar do TRM.

O caminho para oTotal Revenue Management

Existem implicações muito importantes para o desenvolvimento de uma visão holística em relação ao TRM ou TPO:

Otimização de Ativos: como os quartos, também as cadeiras do restaurante, MICE, estacionamento, SPA são produtos perecíveis. Em muitos casos, não estão a ser explorados como deveriam e o desenvolvimento de um processo holístico de otimização tem de ser a base de qualquer organização.

Maiores receitas: através da adoção de um processo de otimização da rentabilidade, asseguramos que, durante a tomada de decisões estratégicas, seja acrescentado o impacto do total das receitas, e não apenas das salas.

Redução de Custos: graças à tecnologia, departamentos como operações podem gerir de forma mais eficiente os principais custos relacionados com estas atividades. Além disso, é de notar que a redução dos resíduos gera uma maior sustentabilidade com uma abordagem de economia circular.

Aumento da Rentabilidade: a consequência direta da melhoria das receitas e da redução de custos é a otimização da rentabilidade.

 

As áreas em que o trabalho tem de ser feito

Com estas instalações, as alavancas que podemos ativar no campo do setor hoteleiro, através de um plano holístico de otimização da rentabilidade, são múltiplas:

Na área da F&B

• Restaurantes: aplicação de preços dinâmicos e menus inteligentes baseados no perfil e segmentação do cliente.

• Preços dinâmicos do pequeno-almoço: otimização dinâmica do pequeno-almoço com regras bem definidas e parcialmente independente da estratégia do quarto.

• Otimização do Serviço de Quartos: gráficos dinâmicos com oferta e preços dinâmicos por tipo de quarto, segmento e nacionalidade. Uma oferta personalizada que proporciona maior valor ao cliente e maior rentabilidade para o hotel.

´

Na área dos eventos:

• Otimização M&E: otimização das salas de reuniões através de preços e política dinâmica de cancelamento.

• Otimização de canais: automatização dos preços e disponibilidade em canais de vendas para MICE.

• Previsão de M&E: forneça aos hotéis uma previsão de procura e receita para segmentos de grupo, hoje um grande resto de todos os Sistemas de Gestão de Receitas.

• No resto da área acessória:

• Estacionamento: gestão dinâmica dos preços do inventário

• SPA: estratégia de otimização dinâmica tanto dos preços como da oferta

• Outros serviços: qualquer outro tipo de produto ou serviço para que uma estratégia de gestão dinâmica possa ser aplicada tanto a preço como ao inventário.

 

Estas são apenas parte das oportunidades que temos, um verdadeiro oceano azul que está à espera que os bravos marinheiros comecem a navegar.

 

RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

TecnoHotel nº19 mai/jun 2022

TecnoHotel nº19 mai/jun 2022

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.