Tecnologia

A adoção da tecnologia no setor hoteleiro

Aqueles de nós que há algumas décadas combinamos este mundo da tecnologia e dos negócios temos agora algo muito valioso a nosso favor, que é a perspectiva, que só se consegue com o tempo, que nos permite analisar os ciclos que foram produzidos, também como os erros cometidos em termos de gestão tecnológica quando éramos menos experientes e mais impressionáveis.

04-12-2023 . Por TecnoHotelPortugal

A adoção da tecnologia no setor hoteleiro

Se olharmos para trás, especialmente nos últimos anos, têm surgido tecnologias que se tornam “essenciais para adoção” (o que os anglo-saxões chamam de “hype” ou “promoção exagerada”) e cuja origem nem sempre é conhecida. pode ter em nosso contexto.

Mas cada vez mais os ciclos são mais frequentes no seu aparecimento, são mais rápidos na sua materialização e podem gerar maiores impactos nas organizações e nas pessoas.

Muitas destas tecnologias vieram para ficar e são essenciais para acelerar os processos de transformação dentro das empresas. Da mesma forma, como sempre aconteceu, outros deixarão de ser uma promessa com grandes expectativas criadas artificialmente, para descobrirem que a sua implementação será muito mais modesta e acabarão por responder a situações muito específicas e de determinado valor, ou se não , eles acabarão desaparecendo.

Que tecnologia adotamos?

Os responsáveis ​​pela tomada de decisões em relação à tecnologia são continuamente questionados como: Temos que adotar Edge-Computing? Temos que adotar 5G? Temos que adotar Realidade Aumentada? Como iremos impactar a Inteligência Artificial? e um longo, muito longo etc.

No nosso caso, diante desse turbilhão, tentamos contar com certos padrões mentais, que já falei que ajudam, mas não são perfeitos, para nos fazermos as perguntas certas.

Se a questão é que caso de uso devemos procurar para justificar a adoção desta tecnologia, surge imediatamente a dúvida se não estamos a cometer um erro, pois a questão implica não saber muito bem qual o papel desta tecnologia pode ser a tecnologia em nosso contexto e momento.

Pelo contrário, à questão de saber se podemos aplicar esta tecnologia para resolver uma necessidade que surge e cuja solução pode ter grande valor, se respondermos afirmativamente, possivelmente estaremos no caminho certo porque já antecipamos uma contribuição de valor em sua adoção.

Mas a complexidade que temos em cima da mesa não é tão simples porque, para algumas tecnologias, se não as testarmos num ambiente específico - o seu - não podemos saber se é decisivo para viabilizar a resolução de um problema que anteriormente considerado insolúvel.

Não existem verdades absolutas porque cada empresa, dependendo da sua maturidade tecnológica, do seu apetite ao risco e da sua orientação para a inovação, irá modular esta decisão de forma diferente.

A transformação, obrigatória

A adoção de uma nova tecnologia, se bem sucedida, torna-se um elemento facilitador de uma transformação que, por outro lado, é obrigatória; E para que tenha sucesso, deve ser feito com bom senso e com uma compreensão clara dos benefícios que traz, das obrigações que acarreta e dos riscos que acarreta.

Este tipo de decisões não podem ser tomadas levianamente porque poderíamos estar a hipotecar recursos humanos, materiais e económicos que, em tecnologia, raramente diminuem, e até aumentam a exposição da organização a riscos de segurança, éticos e reputacionais.

Com esta reflexão procuro transmitir que o mais importante e necessário é conhecer muito bem o seu contexto, as suas necessidades e as oportunidades que surgem e, de forma subordinada, considerar a adequação na adoção de uma determinada tecnologia e procurar a momento ideal para tomá-lo.

E quando falamos de contexto, devemos avaliar também se o propósito desta tecnologia está alinhado com o plano estratégico da empresa, se ela será incorporada a uma cultura empresarial capaz de assimilá-la e se as pessoas receberão informações e treinamento suficientes para se integrarem. isso no seu dia a dia.

Como conclusão final, não devemos perder a perspectiva de que a adopção da tecnologia deve estar sujeita ao seu nível de contribuição para a transformação da organização, mas nunca o contrário, e além disso, a sua adopção ou aplicação deve gerar valor positivo e , Muito importante que esse valor seja mensurável.

E inteligência artificial generativa…

Em outro momento, gostaria de dar minha opinião sobre o tema da moda, como as organizações vão adotar a Inteligência Artificial Generativa?, mas vou dar um spoiler sobre isso:

Neste ponto, é óbvio dizer que a Inteligência Artificial Gerativa será amplamente adotada, mas o que já não é tão óbvio é porquê, como, quando e a que preço.

 

 

Autor: Tomeu Bennasar - CIO do Grupo Iberostar, rede à qual pertence há quase três décadas. É um apaixonado pela transformação no seu sentido integral, contribuindo para isso com as ferramentas que a tecnologia e as comunicações sempre colocaram nas nossas mãos.

 

RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

THPORTUGAL 29 JANEIRO/FEVEREIRO 2024

THPORTUGAL 29 JANEIRO/FEVEREIRO 2024

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.