Tecnologia

A (re)evolução dos dados no setor hoteleiro

Provavelmente não descobrimos nada de novo quando dizemos que o setor do turismo, e especialmente o setor hoteleiro, está imerso num processo absoluto de transformação dos seus modelos de negócio no sentido de uma efetiva digitalização dos processos

27-04-2023 . Por TecnoHotel Portugal

A (re)evolução dos dados no setor hoteleiro

Esta transformação só é possível graças à utilização de novas tecnologias

Um momento histórico, que os grandes especialistas chamaram de quarta revolução industrial, e que representa uma verdadeira mudança na mentalidade empresarial em termos de como gerir o turismo e a hotelaria.

Atualmente, se há um tema de conversa em qualquer fórum de reflexão, painel ou congresso, tem a ver com dados e seu ecossistema. E não há dúvida de que terão um papel importante neste novo paradigma de negócio digital.

Este artigo não tem outro objetivo senão tentar esclarecer e colocar em cima da mesa alguns aspetos relacionados com o campo de dados. Para isso, considera-se especialmente relevante começar pelo início. E se há setor que gera dados de grande relevância para a economia de um país, esse setor é o turismo.

Antes da viagem

Se analisarmos a "jornada do cliente de um turista" ou o itinerário do consumidor, podemos ver que o simples gesto de planejar, organizar e desfrutar de uma viagem produz uma enorme quantidade de dados pessoais.

A simples pesquisa e comparação que ocorria no passado, bem como a escolha do destino de viagem na origem, já representam um desafio para os especialistas em marketing digital e revenue management.

Durante a viagem

No momento da viagem, desde o momento em que arranca no seu país de origem até chegar ao próprio alojamento turístico, são muitos os dados que o utilizador deixa na rastreabilidade da viagem, sobretudo os relacionados com a deslocação.

Por fim, a estadia no estabelecimento turístico, desde o check-in, passando pelos diferentes consumos e utilização dos serviços nele existentes, até à partida do cliente, permitem ter informação que hoje se torna um elemento fundamental na confluência entre estabelecimentos hoteleiros e, portanto, entre destinos turísticos.

A tudo isto, há que acrescentar o número de dispositivos com os quais um cliente interage durante a sua experiência turística, que vão desde as próprias aplicações móveis, sistemas de geolocalização, dispositivos de reconhecimento facial à abertura de portas inteligentes, soluções de gestão de consumo individual, entre outros.

Dito isto, podemos afirmar que os processos de geração de dados evoluíram consideravelmente nos últimos anos e se acentuaram no período pós-pandemia. No entanto, o desafio enfrentado pelas empresas do setor do turismo é a necessidade de poderem utilizar estes dados, com o objetivo de alcançar uma melhoria competitiva no próprio setor.

objetivo de alcançar uma melhoria competitiva do próprio sector.

Noray DigiHub

No caso da Noray, enquanto empresa especializada em inovação e tecnologia no setor hoteleiro, trabalhamos lado a lado com os nossos clientes, facilitando uma transição ótima para a transformação digital do setor hoteleiro, através da digitalização de processos-chave do modelo de negócio.

Para o efeito, a unidade de inovação digital e I+D criou o hub de inovação digital, Noray DigiHub, com linhas de investigação muito definidas, entre as quais se destaca a definição e implementação de um Smart Data Space.

É um projeto que está alinhado com as principais políticas e iniciativas europeias, fazendo parte de grupos de trabalho especializados na utilidade dos dados, de iniciativas tão marcantes como o GAIA-X, cujo objetivo é a criação de uma infraestrutura de dados aberta e segura, cumprindo os mais elevados padrões de soberania digital.

Entre os desafios mais importantes que enfrentamos do Noray DigiHub, está a necessidade de fornecer soluções que permitam a conectividade e interoperabilidade de dados em estabelecimentos hoteleiros.

Se antes comentávamos sobre a quantidade de dados gerados por um turista durante o seu processo de viagem, não menos notável é a capacidade de gerar informação associada à gestão diária de um estabelecimento de alojamento, utilizando uma média de 7 soluções e ferramentas de software, segundo dados da Statista de 2019.

O principal problema que identificámos ao analisar o estado de maturidade digital dos hotéis é a existência de inúmeras bases de dados, criadas em resultado da utilização de diferentes ferramentas, incluindo o próprio PMS, que a partir da Noray comercializamos sob o nome Noray Htl, e que constitui uma ferramenta inovadora, baseada na mais recente tecnologia e adaptada às necessidades específicas do setor hoteleiro.

Facilitar que os nossos clientes, especialmente os diretores e gestores hoteleiros, possam ter dados únicos, fiáveis e em tempo real, que lhes permitam ter segurança e controlo absoluto do negócio, é um dos principais desafios em que estamos imersos, com o desejo de apoiar uma tomada de decisão eficaz e eficiente,  Proporcionando tranquilidade e confiança na gestão diária de um hotel.

Sem dúvida, podemos afirmar que estamos imersos na re(evolução) dos dados, em que ter as informações necessárias, no momento certo, será um importante diferencial que permitirá aos estabelecimentos hoteleiros alcançar e manter uma posição de destaque em relação aos demais concorrentes.

 

Autor: José Manuel Cabello - Diretor de Inovação Digital e Conhecimento da Noray.


RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

THPORTUGAL 31 MAIO/JUNHO 2024

THPORTUGAL 31 MAIO/JUNHO 2024

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.