Tecnologia

O metaverso melhora a receita, a experiência e a fidelidade do cliente

Na passada quarta-feira, 13 de setembro, realizou-se em Lloret de Mar o congresso Terres LAB onde se discutiu o metaverso na hotelaria, uma tendência que se está a estabelecer cada vez mais no setor.

02-10-2023 . Por TecnoHotelPortugal

O metaverso melhora a receita, a experiência e a fidelidade do cliente

Para isso, Edu William, Fundador e CEO da The Wise Dreams, e Yvonne Prat, Market Manager da Hotelverse, explicaram na mesa intitulada 'O Metaverso na hospitalidade' a sua experiência nesta tecnologia que traz o futuro para o presente.

O metaverso nas principais áreas da hotelaria

Nesta tabela falamos sobre como esta evolução vai afetar o setor hoteleiro em três áreas principais: receita, experiência e fidelização.

Em termos de receita, foi destacado como a tridimensionalidade pode melhorar a conversão e aumentar o ticket médio. O metaverso tem a capacidade de fazer upselling e cross selling, uma vez que oferecer diferentes atividades que um mesmo hotel pode oferecer, como serviços mais complementares, "pode ser conhecido de uma forma muito mais imersiva e persuasiva que no final o que podemos conseguir é uma maior conversão ou um ticket médio mais alto".

Na experiência, foi mencionado como a tecnologia 3D pode agilizar o processo de check-in e proporcionar entretenimento durante a espera, melhorando assim a satisfação do cliente.

Desta forma, à medida que o 3D se torna a norma, as pessoas poderão explorar e experimentar virtualmente lugares e produtos antes de tomar decisões: "Você pode perfeitamente conhecer o seu quarto, o hotel para onde vai. Você pode escolher de uma maneira muito mais concreta e isso permite que você tenha níveis de conversão muito mais adequados. No final, o cliente quando se acostumar a consumir a informação e o conteúdo vai começar a ser quase uma mercadoria para ele", disse William.

Yvonne Prat também falou sobre este último aspeto: "Dê ao usuário uma experiência imersiva para poder sobrevoar a renderização do hotel, ver exatamente onde seu quarto estará localizado, onde está a piscina, onde estão os restaurantes, que eles acabam reservando conhecendo e entendendo perfeitamente como o hotel é e o que ele reserva".

Além disso, o Market Manager da Hotelverse explicou neste congresso da Terres LAB que em média um cliente costuma navegar, em média, durante um minuto, no entanto se for oferecida a renderização feita com o digital twin, a navegação é superior a três minutos.

Metaverso para todos os tipos de hotéis

Quando falamos em metaverso, muitas pessoas acreditam que ele só é possível para grandes hotéis, mas não é assim: "Lembrando que não é apenas uma ferramenta para grandes redes hoteleiras, mas também para médios, pequenos e hotéis independentes. Na verdade, eles estão cada vez mais unindo inovação e dando esse empurrão para o seu canal direto", explicou Yvonne.

Algo com que Edu concordou, que acrescentou que envolve muito investimento, mas que é "gradual" e que tanto um pequeno hotel como um independente o podem fazer. "A base está no que dissemos, democratizando o acesso ao trem de investimentos. Os investimentos são baixos puxando para muito baixos".

 

Sónia Faura - Editor do TecnoHotel, licenciado em Jornalismo pela UMH e com mestrado em Jornalismo Multimédia pela UCM. Amante de viagens, descobrindo novos lugares e também escrevendo. Você pode segui-la no LinkedIn

 

Fotografia: Fundació Climent Guitart - Tabela 'O Metaverso na Hotelaria' 

 

RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

THPORTUGAL 31 MAIO/JUNHO 2024

THPORTUGAL 31 MAIO/JUNHO 2024

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.