Tecnologia

Poderão os "supercomputadores" abrir novas possibilidades para toda as indústrias do turismo?

O governo britânico anunciou que investirá 900 milhões de libras em um supercomputador de última geração, como parte de sua nova estratégia de inteligência artificial.

23-05-2023 . Por TecnoHotel Portugal

Poderão os "supercomputadores" abrir novas possibilidades para toda as indústrias do turismo?

Desta forma, o país poderá construir o seu próprio "BritGPT". Um computador "exascale", que segundo o Tesouro britânico, "será várias vezes mais potente do que os maiores computadores do Reino Unido".

Após este anúncio, não há dúvida de que outros países seguirão os passos do Reino Unido, então muitos já estão aperguntar-se: que oportunidades – e desafios – isso criará para o setor de tecnologia de viagens à medida que os supercomputadores se tornam mais difundidos e ajudam a impulsionar os já grandes saltos recentes em IA, fornecendo níveis de poder computacional com os quais os engenheiros de computação nem sonhavam?

A opinião de especialistas sobre o supercomputador britânico

Phocuswright

Sobre supercomputadores e IA, Mike Coletta, diretor de pesquisa e inovação da Phocuswright, destaca que a IA generativa tem o potencial de influenciar todas as fases do ciclo da jornada do consumidor: inspiração, planejamento, compra, experiência e compartilhamento. Além disso, também atuará em áreas como marketing, suporte ao cliente e otimização de negócios, e que interfaces de usuário ricas podem melhorar significativamente a experiência do usuário.

Camas de nuvens

Da Cloudbeds eles também deram sua opinião, especificamente Adam Harris, fundador e CEO da empresa, que menciona que a supercomputação alimentará a IA e revolucionará a maneira como os viajantes planejam, reservam e experimentam suas viagens. "Eu não gostaria de ser um agente de viagens agora, essa tecnologia substituirá lentamente grandes aspetos de seus trabalhos", diz Harris.

O CEO da Cloudbeds também menciona um lado positivo sobre IA e supercomputadores, pois eles poderiam ser usados para definir preços com o objetivo de maximizar a receita e prevenir fraudes na indústria hoteleira.

Digtrips e Misterfly

Emilie Dumont, CEO da Digitrips e proprietária da Misterfly, a principal OTA da França, e outros serviços de tecnologia de viagens B2B, concorda com a personalização da jornada do cliente. "Parece haver muito medo em torno da IA e do supercomputador por trás dela, especialmente que ela substitua os humanos na experiência de reserva de viagens. No entanto, vemos isso mais como uma forma de melhorar o que já é possível graças à interação humana: permitirá experiências mais personalizadas ao cliente, processos de reserva mais rápidos e eficientes e maior otimização de recursos."

Vibração

Matthew Chapman, CTO do provedor de tecnologia de reservas de viagens Vibe, acredita que, com a capacidade de processar conjuntos de dados complexos e realizar análises avançadas à velocidade da luz, os supercomputadores têm o potencial de transformar tudo, desde a maneira como as reservas de viagens são feitas até a maneira como experimentamos destinos em todo o mundo.  incluindo ida e volta.

"Estamos confiantes de que a supercomputação será um fator-chave de mudança e progresso, e se o governo do Reino Unido puder nos dar acesso a este novo brinquedo por algumas horas por semana, estamos comprometidos em aproveitar seu poder para oferecer ainda mais valor e conveniência para a indústria. Caso contrário, acreditamos que num futuro não muito distante esse poder estará nas mãos de todas as empresas, então em breve todos seremos beneficiados."

Nium, especialista em pagamentos B2B

Os prestadores de serviços no espaço de viagens B2B também acreditam que se beneficiarão do supercomputador. Spencer Hanlon, chefe de viagens da Nium, especialista em pagamentos B2B, destaca que essa tecnologia melhorará a velocidade e a eficiência das transferências de pagamento, além de gerar insights que otimizarão os processos de pagamento no setor de viagens.

"À medida que a indústria de viagens se torna digital, o uso de supercomputação em soluções de pagamento se tornará, sem dúvida, uma prática padrão. Este avanço tecnológico mudará a forma como as transações são conduzidas e ajudará muito a criar uma solução de pagamento mais ágil e otimizada para as empresas do setor de viagens."

Battleface, seguro de viagem

No setor de seguros de viagem, espera-se que o supercomputador tenha um impacto positivo, conduzindo estimativas de risco mais precisas e rápidas, o que proporcionará uma experiência de seguro de viagem mais personalizada e relevante. A inteligência artificial alimentada por supercomputadores permitirá uma análise mais detalhada dos padrões e dados de sinistros e despesas, o que beneficiará as companhias de seguros.

"A incorporação de inteligência artificial alimentada por ferramentas de supercomputação em nossos processos melhorará a capacidade de interpretar melhor padrões, analisar sinistros e dados de despesas, permitindo-nos continuar a investir novamente em produtos e serviços que antecipam as necessidades e demandas atuais dos clientes."

 

Cambon Partners, investimento em viagens

Morgann Lesné, do banco boutique de investimento em viagens Cambon Partners, disse: "Para as empresas que procuram escalar rapidamente e alcançar altas avaliações múltiplas, obviamente sua história de capital tem que envolver alguma oferta central que seja transformadora ou disruptiva para seu espaço. Assim, um grande salto em frente no poder de computação e nas perspetivas de evolução da inteligência artificial pode realmente ser a vantagem que todos os profissionais do setor das viagens procuram. Como acontece com todas as novas tendências, infelizmente muitos prometerão isso, mas poucos cumprirão, então investidores e compradores precisam descobrir rapidamente como identificar os verdadeiros inovadores."

    

Conclusões sobre o supercomputador e a IA

Os especialistas destacam as oportunidades que surgirão à medida que os supercomputadores se tornarem mais difundidos, desde a personalização de viagens até a otimização de processos de negócios em áreas como marketing, atendimento ao cliente e preços. No entanto, existem também desafios em termos de interação homem-máquina, bem como a necessidade de adaptação às mudanças tecnológicas.

Em última análise, a supercomputação e a inteligência artificial alimentada por ela têm o potencial de revolucionar a maneira como planejamos, reservamos e experimentamos viagens. As empresas do setor devem estar preparadas para aproveitar essas tecnologias e oferecer experiências mais personalizadas e eficientes, de olho nas oportunidades emergentes e nos verdadeiros inovadores no campo da inteligência artificial.


RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

THPORTUGAL 29 JANEIRO/FEVEREIRO 2024

THPORTUGAL 29 JANEIRO/FEVEREIRO 2024

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.