Tecnologia

Porque esforçar-se para fazer parte do metaverso?

É muito difícil encontrar um conceito mais popular do que o metaverso no mundo tecnológico. Parece estar em todo o lado e muitas vezes suscita mais dúvidas do que certezas.

22-07-2022 . Por TecnoHotel Portugal

Porque  esforçar-se para fazer parte do metaverso?

Para esclarecer alguns pontos-chave, a Globant publicou o seu novo Relatório Sentinel. O objetivo é responder a questões sobre esta inovação e motivar as empresas a continuarem a reinventar-se.

Fornece informações sobre as tendências do mercado e o comportamento da indústria em todo o mundo. Além disso, o relatório analisa os efeitos de um metaverso multifuncional e apresenta novos dados com base num inquérito próprio. Desta forma, detalha como está a afetar organizações e indústrias. Por sua vez, prevê que o metaverso irá quebrar as barreiras físicas e digitais.

Ao expandir a presença virtual das empresas e maximizar o envolvimento com clientes e colaboradores, também transformará a forma como as pessoas se identificam com a nova cultura digital, a economia e o sistema de e-commerce. Por conseguinte, é interessante analisar algumas das suas principais conclusões.

O que sabemos sobre o metaverso?

Sabemos que o metaverso constitui um novo espaço. Ou melhor, novos espaços. Neles, as empresas podem expandir a sua presença, as  propostas, os produtos e a  criatividade. Desta forma, maximizam a interação com os seus clientes e colaboradores e reinventam o seu negócio. Matthew Ball, o autor de Metaverse Primer, afirma que se trata de "uma experiência 3D partilhada, ou uma versão virtual personificada da internet. Estaremos sempre dentro dessa realidade, em vez de acedermos a ela."

Esta tecnologia emergente já apresenta oportunidades interessantes. Mas hoje poucas pessoas participam ativamente no metaverso. De facto, embora 73% dos inquiridos considerem que esta tecnologia  é acessível , apenas 26,5% participaram numa dessas experiências. Aqueles que costumam fazê-lo são das indústrias de jogos e entretenimento. Isto reforça o equívoco de que o metaverso só é relevante para esses sectores.

"Enquanto está na sua fase inicial, o metaverso desafia as organizações a prepararem os seus negócios para este novo mundo." Isto é explicado por Diego Tártara, Chief Technology Officer da Globant. E acrescenta: "Ao mesmo tempo, ao trazerem o seu negócio para esta nova realidade, os seus utilizadores continuam a aprender a abraçar esta nova era."

Mudar as regras do mundo físico e digital

Apesar de estar apenas a começar a ganhar forma, o metaverso já apresenta possibilidades que nunca imaginámos. Não há dúvida de que muitas empresas, e-commerce, marcas e organizações vão crescer neste mundo digital. Além disso, espera-se que atinja os 800 mil milhões de dólares em 2024.

Como consequência, o metaverso criará 10.000 postos de trabalho em cinco anos. As empresas vão procurar formas inovadoras de fazer parte do novo ecossistema digital. E garantirão a sua presença, entrando em parcerias criativas para aumentar o seu alcance de marca. Neste momento, os videojogos foram os primeiros a aderir. Isto é interessante, porque temos de ter em conta que em 2020, os jogadores de todo o mundo gastaram 54.000 milhões de dólares em conteúdos dentro de diferentes videojogos.

Por sua vez, o mercado das compras de videojogos na aplicação deverá ultrapassar os 74,4 mil milhões até 2025. Isto é interessante porque, a partir do estudo, asseguram que a distribuição, o compromisso e "teste e aprendizagem no espaço gaming de hoje será a chave para entender como se integrar nos metaversos do futuro". É por isso que muitas organizações vão começar a considerar investir em videojogos.

As tendências metaversas estão a transformar o futuro

O crescimento deste mercado é um indicador de onde o futuro da internet nos leva inevitavelmente. Martin Migoya, CEO e cofundador da Globant, diz que vai "reinventar a forma como as marcas se ligam aos seus consumidores". Além disso, que "vai impulsionar uma nova geração de empresas totalmente digitais para fazer crescer o seu negócio". É por isso que o metaverso pode quebrar barreiras digitais. Ao mesmo tempo, transformará o nosso mundo físico de duas maneiras principais:

1 — Uma nova mudança de paradigma nas relações, experiências e processos. Nas que ocorrem entre empresas e colaboradores, plataformas e utilizadores, marcas e consumidores, organizações e clientes.

2 — À medida que a nossa identidade digital assume o centro do palco, haverá uma recriação conjunta e uma invenção do nosso mundo físico. Nascerá uma nova cultura digital, economia, e-commerce e comunidade.

Tal como no mundo real, os utilizadores querem ter liberdade de movimentos. Assim, a interoperabilidade e a interconectividade desempenharão um papel fundamental. Por isso, o modelo deve passar pela ligação entre os diferentes metaversos. Algumas organizações estão a trabalhar ativamente no sentido da interoperabilidade. A Decentraland, por exemplo, está a trabalhar para adicionar outras quatro plataformas descentralizadas de metaversos. Neles, os avatares poderão mover-se dentro de cada um, participar em atividades como leilões e concertos e utilizar os seus ativos nos mercados.

As possibilidades dos gémeos digitais

Os gémeos digitais são a representação digital de entidades sincronizadas do mundo real. As alterações na versão física refletem-se no gémeo digital, pelo que "estas propriedades intrínsecas... são uma das pedras basilares do metaverso. Graças a isso, apresentam enormes possibilidades e vantagens para as indústrias. Até as empresas podem transformar a forma como interagimos com elas.

Por exemplo, no sector médico, os órgãos internos estão a ser replicados e estudados. E no turismo, serve para que o hóspede possa conhecer melhor o hotel. Graças a isso, o cliente vai reservar exatamente o quarto que  quer. No caso das empresas de vestuário, ter um gémeo digital pode permitir que os clientes experimentem roupas antes de as comprarem usando avatares que correspondam às suas dimensões exatas. Em 2020, o mercado digital twin gerou mais de 3 mil milhões de dólares em vendas.

A BMW tem um gémeo digital de uma das suas fábricas em Regensburg, Alemanha. A fábrica física, desenvolvida pela Omniverse Enterprise, tem uma réplica virtual 3D idêntica a que os clientes podem aceder através de um tablet, auriculares VR ou até mesmo óculos inteligentes. Planeiam construir outra fábrica na Hungria e querem implementar gémeos digitais em todas as suas instalações o mais rapidamente possível.

Vantagens e riscos do metaverso

A realidade virtual apresenta novos benefícios. Tem-se mostrado que funciona muito bem como uma plataforma de aprendizagem. De facto, 94% dos estagiários da Intel afirmaram que gostariam de participar em cursos mais baseados em VR. Também pode ter um impacto positivo no desempenho do emprego. Neste caso, 69% dos inquiridos acreditam que o metaverso tem um papel crucial no trabalho remoto.

De acordo com a Forrester Research, (The State Of The Metaverse, março de 2022), "Os consumidores vão optar por fazer compras, bancos, trabalho, jogo, aprendizagem e exercício no mundo imersivo, tal como fazem no físico. A diferença é que eles vão ser capazes de escolher entre infinitas aparências, amigos e locais, e uma enorme quantidade de interações e experiências que ainda nem podemos imaginar."

Como consequência, o metaverso gera uma economia criativa que favorece a colaboração para além da localização física. Por isso, marcas e celebridades estão a explorá-la para reinventar a sua ligação com clientes e colaboradores. É claro que, neste momento, os consumidores médios ainda não estão a fazer compras com base em experiências no metaverso. Mas isto vai mudar em breve. 32% dos inquiridos afirmam que as marcas que utilizam estão a oferecer experiências ou produtos no metaverso.

Enquanto isso, 58% dos marketers planeiam integrar o metaverso "extremamente ou muito"  nas suas estratégias de marketing para 2022. É claro que novas experiências digitais requerem maior cibersegurança. Além de roubar os seus dados, uma pessoa pode personificar outra no metaverso. Assim, 74% dos inquiridos acreditam que o metaverso apresentará riscos e desafios significativos. Nesse sentido, a privacidade é uma das principais preocupações. Mas também há questões éticas sobre o acesso ao metaverso e o seu anonimato.

Conclusões

Para a maioria das indústrias, o metaverso virá de mãos dadas com a reinvenção. Espera-se que transforme o setor tecnológico, uma vez que muitas empresas irão criar a arquitetura, hardware e software que irão alimentar a versão Metaverse da Web 3.0.

Como resultado, oferecerá indústrias, marcas e criadores inimagináveis possibilidades de fazer novos negócios e expressar-se. Também para se relacionar com os outros de novas maneiras . Graças a isso, é uma oportunidade de conseguir um lugar no mercado atual para as organizações que decidem reinventar-se explorando as suas oportunidades.

 


RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

TecnoHotel Portugal nº22 novembro/dezembro

TecnoHotel Portugal nº22 novembro/dezembro

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.