Tecnologia

Que impacto tem a inteligência artificial no turismo?

A inovação tecnológica é muito benéfica para o sector em muitos aspetos. Num contexto em que a pandemia impulsionou a digitalização, os hóspedes também estão mais habituados à tecnologia. E até esperam encontrar certas ferramentas durante a sua estadia.

26-04-2022 . Por TecnoHotel Portugal

Que impacto tem a inteligência artificial no turismo?

A questão é saber qual o papel que alternativas como a inteligência artificial podem ter num futuro próximo.

Num dado momento em que o metaverso tomou conta de todas as conversas, é conveniente considerar as opções disponíveis para os hóspedes. Além disso, no ano esperado de recuperação, tirar partido do que uma IA oferece pode ser uma revolução. Tanto a nível empresarial como a nível social e pessoal. É o que Javi Arranz, CEO da Eternity, garante. O seu artigo incluído no Relatório de Tendências do Turismo de Open Ideas reflete precisamente sobre estas questões.

Afirma que vivemos numa constante mudança e evolução tecnológica, para que o uso das novas ferramentas ofereça benefícios às empresas. De acordo com um relatório da empresa de consultoria McKinsey & Company, a penetração da inteligência artificial em qualquer ambiente de negócios aumentou 56% em comparação com 2019. Ou seja, já é uma ferramenta do presente, que tem múltiplas aplicações.

 

Melhorar a experiência do cliente

Desde o início, o que ele recomenda é pensar em todas as aplicações que a IA tem. No caso da experiência do cliente, permite a promoção da automatização. Desta forma, as exigências imediatas e personalizadas dos utilizadores podem ser satisfeitas em tempo real, 24 horas por dia e a partir de qualquer lugar. No turismo, isto envolve cuidar do viajante.

Por exemplo, através de novos canais de serviço, como chamadas de vídeo ou chatbots. Afinal, estes últimos são conduzidos precisamente pela inteligência artificial capaz de responder rapidamente aos problemas mais comuns do hóspede. O melhor é que é uma tecnologia capaz de aprender a adaptar-se melhor. Assim, até consegue antecipar as necessidades de cada pessoa.

Como caso de inovação neste campo, coloca o Virtual Tourist Assistant of Eternity, um sistema de serviços turísticos que trabalha através de um chatbot de conversação baseado em inteligência artificial com redes neurais. Graças a isso, permite interagir através de menus simples cuja configuração é feita por árvores de decisão. Além disso, a tradução de texto é possível através de um módulo de processamento de linguagem natural.

Além disso, ele está a treinar para oferecer respostas mais precisas e indistinguíveis daqueles que um humano ofereceria. Além disso, tem um sistema multi-linguístico que permite traduções  para diferentes línguas. Por sua vez, podem ser incluídas diferentes redes neurais para diferentes línguas. A diferença entre estas opções é que, no segundo caso, devem ser treinadas separadamente. Enquanto com a tradução, só é necessário treinar a Rede Neural do país.

 

Inteligência Artificial Adaptativa

Outro detalhe interessante deste sistema é que pode ser integrado com aplicações móveis ou widgets no site do próprio cliente. Além disso, o design é configurável, pelo que o Assistente de Turismo Virtual cobre completamente o processo turístico. Acompanha-o desde o momento em que inicia a estrada até ao seu destino (indicando rotas adequadas) até durante a sua estadia, oferecendo propostas de lazer ou gastronomia.

A ferramenta também tem um Big Data que permite analisar as interações que os turistas têm com o próprio sistema. Por sua vez, pode ser integrado com o sistema de turismo virtual existente. Graças a isso, pode detetar se o viajante não encontrar uma resposta adequada do assistente. Nestes casos, o sistema pode ser configurado para que, a partir da mesma interface, o visitante possa ser assistido por um agente turístico físico por videoconferência, telefone ou chat ao vivo.

Por fim, Javi Arranz salienta que a aplicação de Inteligência Artificial no turismo permite-nos compreender melhor as tendências e comportamentos dos viajantes. Por sua vez, isto permite criar produtos específicos. Também a otimização de processos ou a previsão de futuras ações dos visitantes. No caso específico do Assistente Virtual da Eternity, esclarece que permite acelerar a resolução de problemas dos turistas, proporcionando segurança no tratamento de dados.

Com base nestes elementos, conclui afirmando que uma cidade turística inteligente, um hotel inteligente ou um museu de vanguarda devem apostar na combinação de agente turístico e inteligência artificial, porque veio para ficar.

Fonte: www.smartplanet.pt/


RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

TecnoHotel nº19 mai/jun 2022

TecnoHotel nº19 mai/jun 2022

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.