Tecnologia

O desenvolvimento da IOT torna possível um edifício hoteleiro mais eficiente

Os edifícios são um dos grandes protagonistas das nossas vidas, exigindo uma prioridade em termos de ações focadas em aumentar a sua eficiência.

01-12-2022 . Por TecnoHotel Portugal

O desenvolvimento da IOT torna possível um edifício hoteleiro mais eficiente

As soluções digitais conectadas são o  principal aliado na luta pela redução do consumo e das emissões, aumentando a eficiência destas infraestruturas.

Os nós da  IoT recolhem, classificam e comunicam a informação transmitida por dispositivos conectados: são o coração da infraestrutura de rede de um edifício inteligente.

Estima-se que as pessoas passem até 90% do seu tempo dentro de casa: nelas vivemos, dormimos, trabalhamos,  divertimos-nos e, em última análise, desenvolvemos grande parte das nossas atividades diárias.

Assim, não é de estranhar que sejam também um dos principais consumidores de energia e poluentes na nossa sociedade. De acordo com os dados mais recentes fornecidos pela União Europeia, os edifícios são responsáveis por 40% do consumo de energia do Velho Continente, bem como 36% das suas emissões de gases com efeito de estufa.

Se combinarmos ambos os fatores, o seu papel essencial e o grande peso nas questões ambientais e energéticas, e englobá-los num contexto como o atual, em que as crises climáticas e energéticas marcam tanto as tendências da procura por parte da sociedade como as legislativas pelas administrações.

Por conseguinte, só podemos chegar a uma conclusão: se queremos manter a nossa qualidade de vida sem uma maior deterioração do ambiente, temos de tornar os edifícios o mais sustentáveis possível.

Eficiência e sustentabilidade, o futuro da construção

Eficiência e sustentabilidade são o foco objetivo da construção no futuro, porque a grande revolução tecnológica que está a orientar a transformação destes espaços, a digitalização, tem entre os seus principais benefícios a melhoria de ambos os aspetos.

Uma digitalização que, no caso dos edifícios, tem conectado dispositivos como o seu principal cavalo de trabalho. Isto demonstra-se observando que são o tipo de solução tecnológica que mais cresce ao longo deste século, passando de um dispositivo conectado por pessoa em 2013, para os atuais nove, e com previsões que falam de mais de 50.000 milhões de dispositivos conectados em todo o planeta até 2050.

Embora a segurança, o nível de personalização do ambiente e, acima de tudo, o conforto sejam sempre os grandes slogans que me vêm à mente quando falamos da Internet das Coisas, a sua capacidade de gerir e controlar o nosso consumo de energia (e com ele uma grande parte das nossas emissões) sempre foi, é e será o principal benefício proporcionado por estes dispositivos.

Especificamente, estima-se que, utilizando dispositivos conectados que permitam análise, controlo e gestão inteligentes de parâmetros como a luz, a temperatura e a energia utilizadas num edifício, até 20% do consumo pode ser poupado nele e as emissões de CO2 reduzidas em 15%.

No entanto, embora estes dispositivos sejam a face visível do mundo conectado, a verdade é que todos estes dispositivos devem ter uma peça indispensável e talvez mais desconhecida, os nós IoT, que são responsáveis por receber a informação da sua atividade, ordenando-a e comunicando-a a uma plataforma superior para a sua gestão.

Como é que os nós da IoT contribuem para uma construção mais eficiente?

Os nós da IoT são um pilar fundamental quando se trata de tornar qualquer edifício inteligente, sendo essencial para criar um sistema de comunicação integral que realmente facilita a gestão e melhora a experiência de cada utilizador.

Um nó IoT é a unidade básica para desenvolver um edifício conectado, uma vez que são estes dispositivos eletrônicos com os quais sensores e monitores de atividade, bem como dispositivos IoT, interagem direta e indiretamente.

São, portanto, responsáveis pela recolha de dados, ordenando-os e partilhando-os numa plataforma de gestão para que a atividade possa ser parametrizada e as diretrizes de melhoria possam ser aplicadas.

No entanto, um dos principais problemas enfrentados pelos atuais gestores de infraestruturas de rede de qualquer tipo de edifício, seja habitação comunitária, industrial, de escritório ou de empresa, é que nem todos os dispositivos integrados na mesma falam a mesma "língua".

Ou, em linguagem um pouco mais técnica, que todos os dispositivos conectados nele usam as mesmas hierarquias, entidades e atributos para definir e enviar pacotes de dados.

Portanto, se queremos que os edifícios inteligentes e as cidades sejam uma realidade, uma realidade em que aproveitam ao máximo as vantagens e benefícios oferecidos pela conectividade e digitalização, torna-se obrigatório desenvolver uma normalização que defina e regula as áreas em que essa informação é obtida,  Processado e enviado.

Uma norma semântica do hotel como um edifício

Como promotor das principais revoluções tecnológicas que o sector das infraestruturas de comunicações tem experimentado, a marca de design tecnológico Televes extrai uma ideia fundamental: não há revolução sem regulamentos de normalização.

No caso dos edifícios, o ambiente de digitalização do edifício deve ser protegido no âmbito das TIC, um exemplo de sucesso a nível mundial de como garantir serviços de interesse geral à população, como a segurança, a eficiência energética e a saúde.

Para a infraestrutura do edifício, o seu controlo e configuração devem pertencer à Comunidade do mesmo, entidade encarregada do exercício do direito de decidir que serviços contrair e oferecer num quadro de livre concorrência.

No entanto, para que tal seja possível, é necessário que o regulamento estabeleça um ponto claro de interligação entre o edifício enquanto cliente e os fornecedores, bem como os operadores de serviços; Por conseguinte, este regulamento só deve ser criado sob o consenso de todos os intervenientes.

Se queremos que os regulamentos não ajudem apenas a evolução dos serviços. mas que isto incentiva a livre concorrência, o cenário de um edifício sensorizado e monitorizado deve ser feito de acordo com normas tecnológicas abertas.

Embora seja verdade que qualquer que seja o quadro que diz respeito a um edifício com unidades de coexistência mais elevadas é um âmbito de aplicação das normas semânticas, a sua importância no domínio do turismo deve ser destacada, identificando como tal hotéis, residências e similares, edifícios estruturais como aeroportos, portos e estações e a área da cidade e destino como uma área específica para o turismo.

Especificamente, um padrão semântico do hotel como um edifício é necessário. E a sua elaboração e aprovação já está em curso, garantindo a partilha de dados e informações entre o hotel ou residência e o destino turístico de acordo com o UNE178501 e tendo uma plataforma interoperável de acordo com a UNE 178104.

A semântica é uma condição essencial para desenvolver a implementação de edifícios inteligentes e conectados em qualquer ambiente e para qualquer uso, mas com especial particularidade em hotéis e residências em destinos turísticos.


RECOMENDADO PELOS LEITORES

Revista digital

TecnoHotel Portugal nº23 janeiro/fevereiro2023

TecnoHotel Portugal nº23 janeiro/fevereiro2023

Newsletter

Seja o primeiro a receber todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.