Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Terça-feira, 26 Outubro, 2021

Role para cima

Top

O que um hotel precisa para ser “Petfriendly”?

O que um hotel precisa para ser “Petfriendly”?

Além de começar a ser uma tendência , viajar na companhia do animal de estimação tornou-se um tipo de turismo que cada vez  tem mais seguidores. 

Por esse motivo, e com o objetivo de garantir uma experiência única, muitos hotéis aderiram ao movimento “petfriendly”. Mas o que é preciso para ser um  estabelecimento petfriendly?

Em primeiro lugar, é entender que os animais de companhia são, para muitas pessoas, mais um membro da família. Portanto, quanto melhor  forem tratados, mais satisfatória será a permanência daquele cliente em nosso alojamento.

Com o objetivo de que esses “convidados especiais” também tenham uma experiência única, muitos hotéis adaptaram a sua oferta por meio de serviços exclusivos adaptados às  necessidades desses “hóspedes especiais”. Além de uma cama ou cesta de dormir, alimentadores e bebedouros ou um ‘wellcame pack’ com um pequeno brinquedo ou doces, e também disponibilizar aos seus proprietários informações detalhadas sobre os lugares de animais na cidade, os melhores parques onde caminhar ou sobre as atividades que podem exercer.

No entanto, é essencial estabelecer regras específicas que sejam conhecidas pelos funcionários do hotel e pelos hóspedes. De facto, é importante que os futuros clientes comuniquem ao hotel,  antes de fazer a reserva, que viajem na companhia do seu melhor amigo e que saibam aspectos tão importantes como se  o acesso com animais  é permitido, por exemplo, ao restaurante ou ao bar ou se tiverem que deixar algum tipo de fiança caso haja algum dano.

 

Pouca adaptação

Quanto aos hotéis, eles geralmente não precisam fazer nenhum tipo de adaptação ou reforma nas suas instalações, uma vez que estes animais, na maioria dos casos cães e gatos, ficam com os tutores  nos quartos. Além disso são os próprios estabelecimentos que escolhem se aceitam ou não animais de estimação, conforme estabelecido pelas  autoridades que tem a competência nesta área.

Neste sentido, o hotel deve assegurar que estes animais estejam registrados, que tenham seguro de responsabilidade civil e que tenham sido vacinados contra a raiva; na verdade, os estabelecimentos devem solicitar todas essas informações aos clientes. Por outro lado, devem estabelecer nos seus regulamentos internos o número de animais que admitem nos seus estabelecimentos, dentro dos regulamentos estabelecidos pelas autoridades locais.

Quanto às regras de convivência, os hotéis devem fixá-las levando em conta as disposições da portaria em relação, por exemplo, à permanência em espaços comuns ou à possibilidade de poderem usar o elevador. Além disso, é imprescindível que os hotéis coloquem a autorização de entrada de animais em estabelecimentos turísticos em local bem visível, como por exemplo na porta principal.

No caso destes animais poderem ficar sozinhos nos quartos, terá que ser claramente estabelecido como e a que horas os funcionários do hotel terão acessoa fazer as limpezas já que naqueles quartos onde um cão ou gato foi alojado, a limpeza deve ser feita com maior profundidade.

 

Responsabilidades

Em relação à responsabilidade, a portaria estabelece que o proprietário do animal será responsável pelos danos, danos e inconvenientes causados ​​às pessoas ou móveis que fazem parte do hotel. No entanto, deve-se ter em mente que os hoteleiros são subsidiários responsáveis, por isso recomenda-se que o cliente assine uma cláusula que os isente do mesmo, juntamente com as regras e requisitos administrativos.

Por outro lado, a maioria dos estabelecimentos colabora com profissionais externos, como caminhantes ou serviços de apoio – com o objetivo de oferecer aos seus clientes a possibilidade de contratar esses serviços. A AEHM (Associação Empresarial Hoteleira de Madrid), assinou recentemente um contrato com o Sr.perro para facilitar a a pesquisa de hotéis “petfriendly” para viajantes e informá-los sobre todos os planos na cidade para desfrutarem na companhia de seu “melhor amigo”. 

 

Autor: Mar de Miguel, AEHM

Secretária geral da Associação Empresarial Hoteleira de Madrid (AEHM). Graduada em Economia e Administração de Empresas, MBA em Gestão Pública, Mestre em Economia Europeia e Liderança Executiva pelo IE.