Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Segunda-feira, 2 Agosto, 2021

Role para cima

Top

Inteligência artificial + blockchain: a tão esperada evolução no setor hoteleiro

Inteligência artificial + blockchain: a tão esperada evolução no setor hoteleiro

As pessoas gostam, de maneira geral, de serem mimadas. Gostamos que as nossas necessidades sejam atendidas e gostamos de nos sentir especiais. Os hotéis têm a oportunidade de cumprir esses desejos, principalmente se o hóspede for habitual.

E se houvesse um registro acessível de todas as suas preferências, desejos e necessidades? Melhor ainda, o que aconteceria se alguém (ou algo) fizesse o trabalho difícil e alertasse o hotel sobre como deveria ser a sua estadia antes da chegada?

Kirill é um especialista em blockchain que deu uma resposta possível no hackernoon.com. De fato, Juan Carlos Sanjuán, CEO da Casual Hotels, fez essas perguntas a si mesmo no nosso último meeting. O que posso fazer para encontrar o hóspede que nunca esteve no meu hotel antes de ele chegar?

A tecnologia parece ser o meio que deve dar-nos a solução. Segundo Kirill, todos temos dispositivos móveis e inteligentes que podem  ajudar-nos a melhorar essa situação.

 

Melhora a estadia dos hóspedes

A inteligência artificial já faz parte da nossa vida, especialmente cada vez que interagimos com a  sociedade. Muitas empresas de tecnologia usam inteligência artificial para melhorar a estadia dos hóspedes, embora muitas das suas virtudes não sejam apercebidas a olho nu, porque trabalham incansavelmente na sombra para eliminar erros humanos.

Mas tem mais. Empresas como o Airbnb usam inteligência artificial para personalizar a lista de acomodações que mostra a cada usuário. Já reparou que, depois de reservar na Airbnb por determinado preço, tende sempre a encontrar preços semelhantes nas pesquisas subsequentes? O mesmo acontece  com os tipos de lugares em que  reserva, as preferências aleatórias, os serviços incluídos na estadia ou até a maneira como os anfitriões interagem com seus convidados.

O Booking.com tem uma função AI semelhante, que funciona nos bastidores para tornar satisfatória a jornada completa do cliente. Concentra-se em prever o que o viajante fará durante a estadia, usando o potencial interesse de compra do cliente para reservar visitas e atividades com antecedência. O cliente pode aproveitar todas essas atividades apresentando-se no local e digitalizando um código QR. Todas essas atividades e passeios são organizados por meio de protocolos de IA, que se tornam mais inteligentes quanto mais usados.

 

A Inteligência artificial também ajuda hoteleiros

No entanto, a IA não apenas ajuda os clientes, mas também possui aplicativos interessantes para os proprietários. Por exemplo, a Allora é uma empresa que garante um aumento de 25% na receita direta, simplificando a experiência de reserva de hotel. Um objetivo muito alto, mas apoiado pela IA. Por meio de chatbots, algoritmos de aprendizado de máquina, mecanismos de recomendação e informações de inteligência de rede podem fazer nosso hotel aumentar as vendas.

E se tudo isso já foi feito por uma tecnologia que até recentemente parecia a palavra de ordem de um meio como o TecnoHotel, mas o que é que o blockchain pode oferecer quando realmente começar a ser aplicado? Ou seja, a tecnologia blockchain pode tornar a inteligência artificial ainda mais forte?

Algumas empresas estão a usar o blockchain, mas sem a IA, e, embora os resultados sejam interessantes,  não são nada inovadores. O LockTrip, por exemplo, permite reservar hotéis com criptomoedas, convertendo instantaneamente criptografia em moeda para que o hotel aceite. Na mesma linha, a Trippki incentiva  a reservar através da sua plataforma de comissão zero para obter recompensas de criptografia enquanto paga em fiat.

Para que a IA funcione com plena capacidade, você  de um local para armazenar todas as informações que recolhidas. E que lugar melhor do que uma blockchain segura. A tecnologia descentralizada também poderia oferecer uma maneira de interagir com os hotéis sem a necessidade de intermediários, como os OTAs.

Vendo como as  as empresas de inteligência artificial estão a atuar no ecossistema dos hotéis, não é de surpreender que as empresas de blockchain estejam a tentar entrar nesse mercado. Por exemplo, uma empresa como o ModiHost, um sistema de gestão de hotéis SaaS, com tecnologia AI, está a tocar nas teclas certas. Enquanto o Airbnb se concentra no lado do cliente e a Allora nas operações do hotel, o ModiHost tenta entrelaçar a tecnologia blockchain com inteligência artificial para beneficiar igualmente todas as partes envolvidas. O que significar:

— Personaliza a experiência do cliente

— Garante serviços de hotelaria através de contratos inteligentes

— Dá aos detentores de tokens incentivos reais para possuir o token

Ou seja, quando tudo é programado por meio de inteligência artificial, as rotinas podem ser otimizadas; portanto, quando um sistema de IA descobre que um hóspede X não deseja que seu quarto seja limpo todos os dias, a equipe do hotel não  precisa perder tempo e recursos para limpá-lo.

Os hotéis podem usar essa plataforma para agendar operações diárias (limpeza, culinária, lavanderia, manutenção, recepção …), com potencial para reduzir custos.

Como funciona?

Os hotéis necessários tokens para aceder os serviços que oferecem  empresas como ModiHost, mas não é  lógico pensar  cada hotel va comprar um monte de tokens de imediato. Os hotéis e os investidores podem ser interativos em conjunto para benefício mútuo. Em definitivo, cada pessoa pode criar tools ou reservas de tokens e atuar como um banco de investimento quando os bancos necessitarem   de tokens pré-estabelecido para a hospedagem em um hotel, conforme necessário. (Clique par ver artigo que explica como funcionam as pools de tokens).

https://blog.bancor.network/how-liquid-tokens-work-a4ba30f2482b

Todos os serviços são realizados através de blockchain da ModiHost usando contratos inteligentes, e um quando um hotel usa a plataforma, obtem empréstimo de  tokens de uma dessas reservas (tools) com um ponto primário e um pedido rotativo.

Os fundos (pools) atuam como um tipo de sistema de crédito que os hotéis podem recorrer, pagando interese ao fundo como o faria com uma cartão crédito.

 

Mas é viável?

Há muitos exemplos de como a inteligência artificial e a tecnologia blockchain tem sucesso em separado no setor hoteleiro. tambémhá exemplosde empresas de viagens estarem a  tentar encontrar formas de combinar essas duas tecnologias.

Por exemplo, o Grupo TUI está a tentar criar uma rede massiva usando o blockchain para rastrear todos os open hotel rooms.

Em definitivo, o tempo dirá. Porem para começar a entender como tudo se pode vir a passar, é necessário lembrar do que aconteceu ainda à pouco tempo com a Inteligencia Artificial que nessa altura não era mais que  ficção científica.