Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

TecnoHotel | Segunda-feira, 27 Setembro, 2021

Role para cima

Top

Oportunidade única de apostar no turismo sustentável

Oportunidade única de apostar no turismo sustentável

Parece que já se passou muito tempo desde os dias em que falamos sobre os protestos em cidades como Amesterdão, Veneza ou Barcelona devido ao excesso de turismo. 

Muitos cidadãos sentiram-se expulsos das suas cidades devido ao constante crescimento do turismo. Mas no auge dessa indústria, quando era esperado um novo recorde para turistas para 2020, o COVID-19 chegou e tudo parou de funcionar. 

Agora, as cidades que sofreram com os estratos do turismo de massa estão a pensar em como retomar a atividade económica sem voltar por esses caminhos. Certamente, alguns como Veneza, que vive principalmente do turismo, estão passar por um momento muito difícil. Nem tanto nem tão pouco, pensam. De fato, os (poucos) habitantes da cidade italiana estão a sofrer a desaceleração da sua economia que sobrevive exclusivamente do turismo. 

Algo acontece com outras cidades europeias, como Lisboa,  Praga ou Barcelona, ​​embora a dependência do turismo não atinja os níveis de Veneza. Ainda assim, os moradores de todas essas cidades concordam que chegou a hora de mudar a maneira como se  viaja. Portanto,  estão comprometidos em tornaras  futuras viagens a essas regiões muito mais sustentáveis. Essa complexa situação está a abrir o debate sobre o que fazer para tornar o turismo menos exigente e mais benéfico para a infraestrutura urbana e para os seus habitantes.

Veneza quer diversificar a sua economia

O New York Times analisa a situação específica em Veneza. Os moradores esperam que a cidade desenvolva uma economia que não gire inteiramente em torno do turismo, que atraia investidores internacionais, que as duas universidades localizadas lá transformem  transforme os edifícios vazios em instalações de pesquisa ambiental.

A pandemia interrompeu a indústria hoteleira veneziana, e é por isso que é hora de repensar o turismo na cidade. “É hora de recuperar a cidade; se não dentro de alguns anos, voltaremos a reclamar com o  turismo de massa”, diz Claudio Scarpa, presidente de uma associação de hotéis veneziana.

Paolo Costa, ex-prefeito da cidade, vai além: “Temos que agir agora, antes que o turismo de massa se recupere, porque não teremos uma segunda chance”.

Como aponta o New York Times, Veneza era um centro comercial e financeiro muito ativo na Idade Média, quando era um estado independente. A sua localização, a meio caminho entre Constantinopla e a Europa Ocidental, fez dela a “capital do capitalismo”.

Uma cidade convertida por e para o turismo

Mas quando o comércio começou a se voltar para o Atlântico, perdeu aquela localização privilegiada, situação que piorou quando, no final do século 18, caiu sob domínio estrangeiro, primeiro sob domínio austríaco e finalmente italiano. Naquela época, cidadãos europeus ricos começaram a visitá-lo nas turnês das cidades turísticas italianas, até que no final do século XX se tornou uma espécie de “monocultura turística”.

Antes da crise do coronavírus, os hotéis venezianos recebiam mais de 10 milhões de hóspedes a cada ano. Mas esse número não leva em consideração os milhões de viajantes que não passam a noite na cidade ou que desembarcam em navios de cruzeiro. Esse número pode disparar para 20 milhões de turistas anualmente, em comparação com 50.000 residentes. E, obviamente,  são o único motor da economia, pois no ano passado deixaram mais de 3.000 milhões de euros na cidade.

Não há dúvida de que o turismo mudou a alma de Veneza. As lojas de venda de alimentos tornaram-se lojas de lembranças turísticas. O preço da habitação disparou e a falta de serviços expulsou os moradores. Por exemplo, o Airbnb oferece mais de 8.000 apartamentos na cidade.

O centro histórico passou de 175.000 residentes em 1950 para menos de 50.000 hoje. Portanto, os habitantes que ainda vivem na ilha querem que a economia mude. Os cerca de 25.000 dos residentes  (cerca de metade) viva diretamente do turismo. Mas agora, aproveitando a complicada situação causada pelo COVID-19, estarão prontos para mudar. Podem consegui-lo?